Telecomunicações Bloco: "Gestão da Altice divide-se entre o conflito de interesses e a incompetência"

Bloco: "Gestão da Altice divide-se entre o conflito de interesses e a incompetência"

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou o projecto de lei para recuperar o domínio público e gestão da rede da televisão digital terrestre (TDT) e da prestação universal de telecomunicações, desencadeando um processo que considera "longo".
Bloco: "Gestão da Altice divide-se entre o conflito de interesses e a incompetência"
Miguel Baltazar
Negócios 30 de janeiro de 2018 às 16:54

Em conferência de imprensa, o deputado bloquista Heitor Sousa explicou que o projecto de lei que recupera para o domínio público a propriedade e gestão da rede básica de telecomunicações e a prestação do serviço universal de telecomunicações, hoje entregue na Assembleia da República, é justificado por três razões.

 

"Primeiro porque a Altice ficou com as infra-estruturas da Portugal Telecom privatizada e incumpre as suas obrigações de serviço público, segundo porque a gestão da Altice se divide entre o conflito de interesses e a incompetência", prosseguiu Heitor Sousa.

 

O conflito de interesses, adiantou, foi identificado pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) "entre a Altice que detém um produto concorrente à TDT, a Meo", e a "incompetência na gestão da sua rede, nomeadamente a rede de emergência e protecção civil, como se viu com as sucessivas falhas nos incêndios do ano passado", continuou.

 

"Em terceiro lugar porque deve ser responsabilidade do Estado garantir propriedade e gestão das redes de emergência e de protecção civil, da rede difusão do sinal do audiovisual TDT e a prestação de um serviço público universal de telecomunicações", disse.

 

O projecto de lei inclui alterações nos artigos 8.º e 12.º da Lei de Bases das Telecomunicações N.º 91/97/ de 1 de Agosto.

 

No caso do artigo 8.º, que refere que é garantida a prestação, em termos de serviço universal, de um serviço telefónico fixo para a realização de comunicações vocais, ligações à rede básica de comunicações que permitam 'fac-simile' e comunicações de dados, com débitos suficientes para viabilizar o acesso funcional à internet, e ligações à rede de TDT em termos que garantam uma cobertura integral de acesso em todo o território nacional, o Bloco propõe que estes sejam explorados "pelo Estado; por pessoa colectiva de direito público"; ou "por pessoa colectiva de direito privado, mas de capitais inteiramente públicos e mediante contrato".

 

O contrato deste último ponto "reveste a forma de concessão quando inclua, também, o acesso, o estabelecimento, gestão e exploração das infra-estruturas que constituam a rede básica de telecomunicações, a que se refere o artigo 12.º", lê-se no projecto.

 

O artigo 12.º refere que "a rede básica de telecomunicações é composta pelos sistemas fixos de acesso de assinante, pela rede de transmissão e pelos nós de concentração, comutação ou processamento, afectos à prestação das várias componentes do serviço universal de telecomunicações", bem como que a rede básica "constitui um bem do domínio público, devendo ser afecta, nos termos da lei, a operadores públicos de serviço universal".

 

Além disso, segundo o artigo, "fazem também parte da rede de telecomunicações do domínio público do Estado as redes de comunicações das forças armadas e das forças e serviços de segurança e emergência, designadamente o Siresp", tal como "toda a rede de infra-estruturas de emissão, difusão, nós de ligação e de comutação que asseguram a difusão dos sinais radioelétricos associados à televisão digital terrestre e à rádio pública".

 

A proposta do BE inclui ainda disposições transitórias para que a prestação de serviços não seja interrompida, aplicando-se também aos trabalhadores.

 

"Até que a transferência da gestão de toda a rede básica de telecomunicações se concretize [...] ficam também garantidos todos os postos de trabalho, assim como a integralidade de todos bens patrimoniais e recursos materiais que asseguram o bom funcionamento da rede", lê-se na proposta.

 

Na segunda-feira, a Altice pediu uma audiência urgente ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, para explicar a estratégia para Portugal e mostrar "a sua indignação" pelas declarações "graves" do deputado do BE Heitor Sousa.

 

"Bem sabemos do incómodo que este projecto provocou na Altice, que terá pedido uma audiência com carácter de urgência [a Ferro Rodrigues] para expor a sua indignação com a proposta do Bloco alegando que não pode valer tudo", disse hoje Heitor Sousa.

 

"Sejamos claros: estamos a falar da Altice que impede o desenvolvimento da TDT porque tem um conflito de interesses identificado pela Anacom, segundo a qual a Altice tem responsabilidade directa nas múltiplas falhas no Siresp e é também responsável pelo despedimento de milhares de trabalhadores da PT com base num esquema fraudulento de transmissão de estabelecimento, além de também ser candidata à compra da TVI contra o parecer dos reguladores", apontou o deputado.

 

Questionado sobre se o BE já falou com os outros partidos sobre esta proposta, Heitor Sousa disse que não.

 

"É um projecto que está a ser entregue" cujo processo "vai ser desencadeado" e que será "relativamente longo", considerou, adiantado que agora está a porta aberta para que o assunto possa ser discutido no parlamento.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Alvaro Há 3 semanas

Se eu fosse, como o sr. Heitor Sousa é, economista na Carris há mais de 15 anos, em vez de criticar a Altice olhava para as demonstrações financeiras da Carris (735 milhões de euros de endividamento nas contas de 2016) envergonhava-me e ficava calado!
Afinal onde está demonstrada a incompetência?

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Incompetência é a palavra certa Quem não tem razões de queixa da MEO...toda a gente. A andamos nós a vender a pataco as empresas portugueses para esta cambada tomar conta delas.... Os privados é que sabem gerir... Risota geral

Alvaro Há 3 semanas

Se eu fosse, como o sr. Heitor Sousa é, economista na Carris há mais de 15 anos, em vez de criticar a Altice olhava para as demonstrações financeiras da Carris (735 milhões de euros de endividamento nas contas de 2016) envergonhava-me e ficava calado!
Afinal onde está demonstrada a incompetência?

BORIS Há 3 semanas

A ANACOM foi constituída recentemente........já não era sem tempo....

Anónimo Há 3 semanas

quem tem o serviço publico de telefone é a NOS não a Altice.
Acho que se deve perguntar aos vários governos incluindo ao atual de esquerda onde está o 4 canal TDT que deveria existir?
onde está o operador de 30 canais pagos sobre o TDT que devia existir? Será culpa da Altice/PT?
Não me parece?

ver mais comentários
pub