Telecomunicações Bloco quer CTT controlados pelo Estado

Bloco quer CTT controlados pelo Estado

O partido argumenta com o incumprimento contratual da empresa no âmbito da concessão do serviço público postal.
Bloco quer CTT controlados pelo Estado
Lusa 27 de maio de 2017 às 12:53

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, anunciou este sábado, 27 de Maio, no Porto a apresentação de um projecto de resolução no Parlamento com o propósito de "recuperar o controlo público dos CTT", por "incumprimento contratual" desta.

A líder bloquista falava aos trabalhadores da Central de Correios do Norte que se concentraram esta manhã em frente da Câmara Municipal do Porto "em defesa do serviço universal" dos CTT e em protesto pelo aumento dos ritmos de trabalho e "discriminação salarial".

"O que sucede nos CTT é um espelho da degradação das condições de trabalho a que se tem vindo a assistir nos últimos anos em Portugal e que resulta de duas opções profundamente erradas que foram tomadas: as alterações no Código de Trabalho e a privatização de uma empresa como os CTT, o que nunca deveria ter acontecido", disse Catarina Martins.

E prosseguiu: "Já questionámos o governo sobre as condições laborais específicas e sobre o facto de não estar a ser cumprida a lei no que diz respeito aos trabalhadores dos CTT, sobre os horários muito longos, sobre a forma como decorrem os descansos que não são descansos nenhuns, sobre a incapacidade de organização da vida familiar, dizendo que é preciso agir rapidamente para repor a legalidade".

"Estamos neste momento a lutar para que haja uma lei por turnos diferente que possa responder ao que é o vosso trabalho e que respeite o vosso trabalho", avançou a coordenadora do BE, repetindo a convicção de "que os CTT não estão a cumprir com as suas responsabilidades de contrato de serviço público postal", e que sendo uma empresa privada "não está a responder com aquilo a que era obrigada".

Decorrente disto, acrescentou, "o BE entende que é preciso recuperar o controlo público dos CTT por incumprimento do contrato da empresa concessionária".


"Os CTT devem ser públicos e nos próximos tempos estas serão as três formas em que vamos actuar: legalidade da empresa, alterar a questão dos turnos e recuperar o controlo público dos CTT", anunciou.

Em declarações à agência Lusa, Catarina Martins frisou que "os dados da ANACOM mostram claramente que a empresa não está a cumprir com aquilo a que é obrigada e, assim sendo, tem de haver uma recuperação para a esfera pública do serviço público postal".

Reconhecendo "ser algo que precisa de algum tempo", revelou ser essa a razão que levou o partido a optar por "um projecto de resolução em vez de um projecto-lei, a fim de que se possa chegar à melhor solução possível".

Reclamando que o "Estado tem de fazer valer a lei", para a líder bloquista "não há ninguém em Portugal que não esteja a perceber que a degradação dos CTT está a retirar direitos às pessoas".

E salientou: "Temos autarcas, dos mais variados partidos, de todo o país a dizer que os CTT não estão a cumprir. Nós precisamos dos CTT mas, a partir do momento em que foram privatizados, deixaram de cumprir o que a lei manda pelo que terá de haver uma intervenção pública".

A concentração promovida pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) - afecto à CGTP - reuniu cerca de 80 trabalhadores.


A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Punitor Há 19 horas

O Bloco teima em seguir uma política ultrapassada e que só gera prejuízos em prole de um serviço público que foi e é mal prestado...

comentários mais recentes
TAP, CTT,... Há 4 semanas

Esta gente é inimputável...
Mas como algum povinho acha bem que o estado volte a controlar a economia, eles vão tendo votos...

Portanto, podem dizer todas estas barbaridades. O povo tem o que merece ter! :-(

Nacionalizem a Autoeuropa, carago!!!

AAAA Há 8 horas

NUNCA DEVIAM TER SIDO VENDIDOS. COMO A EDP, A GALP, A REN, A PT, A CIMPOR, A ANA, ETC. MAS SUPOSTAMENTE SERVIRAM PARA PAGAR OS MILHARES DE MILHÕES ROUBADOS POR CRIMINOSOS DO ARCO DO ROUBO PS, PSD, CDS E DEMAIS AMIGOS EM 40 ANOS DE CLEPTOCRACIA.

zed Há 13 horas

Os bloquistas que comecem a comprar já amanhã. Os demais accionistas agradecem.
Parte do capital está disponível na bolsa, para capitalistas...

António Há 13 horas

Com as privatizações, a unica coisa que fizeram, foi colocarem administradores que delapidam as empresas, como no caso dos CTT onde todo o patrimonio é desaparece sabe-se la como, Ex. onde está o patrimonio Filatélico, que é dos mais valiosos do Mundo? E que pertence a todos nós.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub