Imobiliário Bolha? Não. O imobiliário atravessa “um momento feliz”

Bolha? Não. O imobiliário atravessa “um momento feliz”

Embora reconhecendo que há zonas onde os preços estão a subir de forma perigosa, o sector imobiliário descarta que estejamos perante o aparecimento de uma nova bolha, à semelhança do que aconteceu no início da crise, ainda que com contornos diferentes.
Bolha? Não. O imobiliário atravessa “um momento feliz”
Filomena Lança 24 de maio de 2017 às 10:53

Há, de facto, zonas do Porto, Lisboa, também Algarve, onde os preços do imobiliário estão a "subir de forma perigosa", mas a verdade é que os investidores sabem que há activos com mais risco, com risco moderado ou mesmo sem risco. Fazem a sua análise e investem e o resultado é "um momento feliz" em que a oferta já não tem mãos a medir para responder à procura.

 

O Idealista, portal imobiliário, juntou à mesma mesa e à porta fechada um conjunto de nomes do sector e pô-los à conversa sobre o estado actual e o futuro do imobiliário, numa altura em que a Comissão Europeia começa a lançar alguns alertas ao aumento dos preços praticados. Recentemente, aliás, o próprio Idealista divulgou dados segundo os quais os preços pedidos por quem põe casas à venda cresceram 28% no último trimestre.

 

Preocupante? Fernando Oliveira Silva, do IMPIC; Luis Lima, da APEMIP; Eric Van Leuven, da Cushman & Wakefield; Ricardo Sousa, da Century21; Pedro Pereira, da UCI; e César Oteiza, do Idealista, ensaiaram algumas respostas durante uma hora e meia de conversa informal que partiu da pergunta "Quo Vadis, imobiliário?"

 

E uma ideia relativamente consensual foi a de que falta oferta ajustada à procura. Olhando para o caso concreto de Lisboa, a procura concentra-se sobretudo em imóveis até aos 200 mil euros que, contudo, começam a ser escassos. Há muitos investidores interessados em comprar para colocar no alojamento local, ou seja, no arrendamento a turistas, e há um mercado internacional de olhos postos em Lisboa. Resultado, os 200 mil euros acabam por ser muito mais e quem acaba por ser penalizado são as famílias tradicionais, que não conseguem chegar aos valores pedidos.

 

Por outro lado, embora comece a abrir os cordões à bolsa, a banca está hoje muito mais restritiva na concessão de crédito, o que também não ajuda a resolver o problema das famílias. A estas resta, frequentemente, optar pelo arrendamento, mas também aqui as dificuldades são muitas: há procura, mas a oferta escasseia e os valores das rendas são altos e muitas vezes impraticáveis pelas tais famílias tradicionais, que se vêem impedidas de viver no centro.

 

"O negócio está bem e recomenda-se"

Outra ideia que saiu do encontro, foi a de que, apesar das restrições dos bancos, há de facto dinheiro para investir. No segmento dos escritórios, por exemplo, a procura é essencialmente estrangeira e, tal como nas habitações, há uma procura grande de escritórios e uma grande falta deles no mercado.

Começa a haver falta de espaço para as grandes empresas se instalarem, afirmam os especialistas, segundo os quais, ainda que os preços não tenham para já registado subidas muito grandes – como acontece na habitação – começam já a verificar-se quebras por exemplo ao nível dos incentivos dados pelos proprietários para atrair novos inquilinos.

Por outro lado, neste segmento é notório que começam a surgir novos fenómenos. Se, por um lado, passou claramente o tempo dos grandes centros comerciais, por outro, a procura concentra-se agora em, para além dos escritórios, áreas como residências de estudantes ou parques de estacionamento.  

Se é certo que também nesta área "o negócio está bem e recomenda-se", também é verdade que os negócios se fazem de forma mais lenta, até por prudência dos investidores.

 

Demasiadas licenças para vender?

 

Um outro tema debatido no encontro foi o do número de licenças emitidas para mediadoras imobiliárias. Hoje em dia é relativamente fácil abrir uma mediadora, já que, na sequência do memorando assinado com a troika se efectuou uma simplificação da lei da mediação imobiliária – passou a haver as chamadas licenças na hora, em que tudo é efectuado on-line, através da Internet.

Segundo dados divulgados no encontro, em 2009 existiam no país 4.000 licenças válidas. Em 2012, no auge da crise, o número caiu para 2.700, mas actualmente são já 4.900 e, a manter-se o crescimento verificado nos últimos meses, em breve serão cinco mil.

E há aqui a somar um outro fenómeno: há cada vez mais empresas grandes, com dezenas de vendedores numa loja, que depois fazem franchising e nas quais quem efectivamente faz a mediação já não é o dono, e mediador, mas sim os muitos consultores que com ele trabalham.

Uma nova face, afinal, de um mercado em franco crescimento e que, na verdade, ninguém antecipa realmente onde vai parar. 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.05.2017

Party like it's 2007.

comentários mais recentes
Ze 24.05.2017

"Feliz" como ... com os copos? Sem ressaca... claro. Quem for comprar o T3 em S. Paulo (Lisboa) que está agora à venda por 1 milhao e meio, que se segure quando os turistas voltarem para o Egipto e o preço voltar aos 265.000 que pediam pelo mesmo apartamento há três anos.

Mr.Tuga 24.05.2017

"um momento feliz" para imobiliarias, agiotas e criminosos da "5aSec" que vem LAVAR GUITA e para reformados mumias paraliticas da Europa Norte que compram mansoes com isençoes e beneficios que não tem o tuga pagador de impostos!
Este sitio MEDIOCRE é o paraiso para estranjas e INFERNO para tuga!

TinyTino 24.05.2017

Momentos infelizes virão para os contribuintes portugueses quando se der o estouro e tiver novamente o Estado de por a mãozinha por baixo da banca. Não ponham um travão nisto e depois queixem-se de que é uma "crise financeira internacional"

Anónimo 24.05.2017

Especulação é mais um tiro na classe média que paga as crises.
Todos os anos vê o seu dinheiro a ir para o ordenado mínimo, r/ mínimo mais subsídios disto e daquilo, e aqueles que trabalharam toda a vida em prol de uma dignidade que lhes foge estão de fora, quando lhes devolvem rendimento ?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub