Energia BP fica de fora dos primeiros acordos de exploração de petróleo e gás no Irão

BP fica de fora dos primeiros acordos de exploração de petróleo e gás no Irão

A petrolífera britânica optou por não fazer parte dos primeiros acordos com vista à exploração das reservas de petróleo e gás do Irão.
BP fica de fora dos primeiros acordos de exploração de petróleo e gás no Irão
Bloomberg
Negócios 02 de janeiro de 2017 às 15:00

A petrolífera britânica BP decidiu não participar na primeira onda de acordos de exploração das reservas de petróleo e gás do Irão, avança o Financial Times esta segunda-feira, 2 de Janeiro.

 

O jornal britânico nota que esta decisão da BP a afasta das suas duas principais rivais europeias, a Shell e a Total, duas petrolíferas que resolveram integrar os primeiros acordos para exploração das reservas iranianas desde o levantamento, em 2016, das sanções que pendiam sobre Teerão devido à prossecução do programa nuclear iraniano.

 

O FT nota que depois de ter firmado uma série de acordos nas últimas semanas com grandes empresas do sector energético, entre as quais as supracitadas Shell e Total, o Irão pretende já no início de 2017 estabelecer novos acordos numa tentativa de assegurar mais investimento estrangeiro.

 

Apesar de estar intimamente ligada ao Irão – foi a antiga Anglo-Persian Oil a responsável pela primeira descoberta de petróleo no Irão, em 1908 – a BP preferiu adoptar uma posição de maior cautela relativamente a Teerão, em especial numa altura em que se antecipa um agravar de tensão nas relações entre os Estados Unidos e a China assim que Donald Trump tomar posse como presidente norte-americano.

 

De acordo com fontes anónimas envolvidas no processo citadas pelo FT, a perspectiva de que Trump adopte uma posição dura face a Terrão – isto num momento em que algumas das penalizações económicas aplicadas ao Irão ainda permanecem em vigor – contribui para que a BP tenha optado por algum distanciamento. Até porque a BP é a petrolífera europeia com maior grau de exposição ao mercado norte-americano.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub