Energia BP fecha acordo para comprar gás natural a consórcio da Galp em Moçambique

BP fecha acordo para comprar gás natural a consórcio da Galp em Moçambique

A petrolífera britânica vai comprar gás natural ao consórcio integrado pela Galp e liderado pela italiana Eni.
BP fecha acordo para comprar gás natural a consórcio da Galp em Moçambique
Miguel Baltazar/Negócios
André Cabrita-Mendes 04 de outubro de 2016 às 16:06
O gás natural de Moçambique já tem comprador para os próximos 20 anos. A BP chegou a acordo com a petrolífera Eni e com energética estatal moçambicana para comprar o futuro gás extraído no país lusófono.

Este acordo vai impulsionar a Eni e o Governo de Moçambique a tomarem uma decisão de investimento final sobre o projecto Coral, que prevê a construção de uma plataforma no mar de Moçambique para extrair e produzir gás natural, com o objectivo de o exportar.

Dada a posição geográfica de Moçambique no mapa mundo, os mercados asiáticos serão um dos principais destinos do gás que for produzido no país lusófono.

A notícia do acordo está a ser avançada esta terça-feira, 4 de Outubro, pela agência Reuters, não avançando com valores para o negócio. O projecto Coral tem sofrido vários atrasos e o recente agravar da situação financeira de Moçambique tem lançado algumas dúvidas sobre a sua execução.

"Através deste acordo, os parceiros da Área 4 atingiram mais uma meta importante", disse a ENH em comunicado.

A petrolífera italiana Eni é o operador da Área 4 no mar de Moçambique, onde há seis anos foram descobertas grandes reservas de gás natural, das maiores em todo o mundo. A Galp integra este consórcio, detendo uma fatia de 10%.

Ainda na passada semana foi noticiado que a Eni tinha-se reunido com vários bancos em Londres com o objectivo de obter financiamento para arrancar com o projecto Coral.

As respostas dos bancos devem chegar dentro de três a quatro semanas, com a Eni a ficar mais perto de tomar uma decisão final de investimento sobre o projecto. A petrolífera italiana espera tomar uma decisão até ao final deste ano.

A ronda pela praça financeira de Londres acontece depois da Eni ter chegado a acordo com a Samsung Heavy para construir um navio-plataforma que extrai e processa o gás para o estado líquido para poder ser transportado.

Moçambique detém das maiores reservas de gás natural do mundo, suficientes para abastecer a Alemanha, Reino Unido, França e Itália durante quase vinte anos. Estas reservas ficam na Área 4, onde está localizado o campo de Coral.

A Eni detém 50% da Área 4, com 20% a serem detidos pela chinesa CNPC, enquanto os restantes parceiros têm 10% cada um: a Galp, a coreana Kogas, e a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos de Moçambique.

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado beachboy 05.10.2016

...Moçambique também tem as mais belas prais do Mundo...
...em quantidade e qualidade...
...as ilhas Quirimbas no norte de Moçambique dão 100 a 0 às seychelles...
...esperemos portanto, que a exporação do gás não ponha em risco o território costeiro e submarino...
...a bem dos Moçambicanos, claro está...
...como já se viu pela notícia, pouco sobrará para os Moçambicanos em termos de benefícios...

comentários mais recentes
beachboy 05.10.2016

...Moçambique também tem as mais belas prais do Mundo...
...em quantidade e qualidade...
...as ilhas Quirimbas no norte de Moçambique dão 100 a 0 às seychelles...
...esperemos portanto, que a exporação do gás não ponha em risco o território costeiro e submarino...
...a bem dos Moçambicanos, claro está...
...como já se viu pela notícia, pouco sobrará para os Moçambicanos em termos de benefícios...

Anónimo 04.10.2016


FP e CGA - SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

E não deixa de ser anedótico que o contribuinte que vê a sua reforma cada vez mais longe e mais baixa, ainda seja chamado para pagar as reformas da CGA.

Fica aqui a lista do pilim que a CGA consome ao OE (e que todos os contribuintes pagam):

Milhares de € - Pordata

Ano - Receitas CGA / Trf Orç. Estado / Despesa total

2008 - 2.298.320,0 / 3.396.097,0 / 6.705.927,0

2010 - 3.453.777,2 / 3.749.924,6 / 7.489.193,3

2012 - 2.846.863,0 / 4.214.632,7 / 7.196.785,9

2015 - 4.927.319,1 / 4.601.342,3 / 9.528.661,4

Anónimo 04.10.2016


PS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

FP SEMPRE A ROUBAR À GRANDE

Por que razão o cálculo da pensão da sua CGA era mais generoso do que o cálculo da pensão do regime geral?

Porquê?

Por que razão uns tinham reforma de filhos e outros reforma de enteados?

Esta discrepância logo à partida é que é razão para indignação, meu caro amigo.

A equiparação prometida é da mais elementar justiça.

Por que razão trabalha V. Exa. menos 5 horas semanais do que os trabalhadores dos sectores privados?

Pior: além de trabalhar menos horas, ainda tem direito a mais dias de férias.

Porquê?

Que razões podem justificar estes privilégios injustificáveis?

Que aritmética laboral pode justificar esta diferença entre V. Exa. e a restante população?

Que equidade pode existir aqui?

pub
pub
pub
pub