Banca & Finanças BPI contribui com 103 milhões para trimestre de lucros recorde do CaixaBank

BPI contribui com 103 milhões para trimestre de lucros recorde do CaixaBank

A integração dos 84,5% que o CaixaBank detém no banco português contribuiu, desde Fevereiro, com 180 milhões de euros para a actividade do banco catalão.
BPI contribui com 103 milhões para trimestre de lucros recorde do CaixaBank
Paulo Zacarias Gomes 24 de outubro de 2017 às 07:28
A integração do BPI, desde Fevereiro nas mãos dos catalães do CaixaBank, contribuiu no terceiro trimestre do ano em 103 milhões de euros para os resultados do banco espanhol.

Segundo as contas trimestrais apresentadas esta terça-feira, 24 de Outubro, o CaixaBank terminou o terceiro trimestre do ano com lucros de 649 milhões de euros, acima dos 517,7 milhões estimados pelos analistas, levando os primeiros nove meses a lucros de 1.488 milhões de euros.

O resultado líquido trimestral (uma subida de 48,7% em termos homólogos) e o relativo aos primeiros nove meses foram, de acordo com o CaixaBank, os melhores para ambos os períodos na sua história.

Os recursos de clientes geridos pelo banco aumentaram em 46,12 mil milhões de euros nos primeiros nove meses dos ano (34,77 milhões dos quais oriundos do BPI), elevando o valor a um total de 350 mil milhões de euros.

As receitas totais subiram 9,3% para 6.491 milhões enquanto os gastos recorrentes de administração e amortização aumentaram a um nível superior - 11,5% para 3.343 milhões.

Também nas margens obtidas através de juros o contributo da unidade portuguesa presidida por Pablo Forero foi positivo: subiram 15,2% para 3.550 milhões de euros de Janeiro a Setembro, com o BPI a contribuir para 8,7 pontos deste crescimento - pese embora o ambiente de baixos juros vigente na banca, refere o CaixaBank.  

Nas comissões, o BPI contribuiu com 8,2 pontos do crescimento de 20,2% registado, que colocou o valor em 1.867 milhões de euros.

A margem bruta da casa-mãe do BPI aumentou para 6.491 milhões de euros, uma subida de 9,3% até Setembro que o banco justifica com a incorporação da instituição portuguesa e a maior geração de receitas do negócio bancário e dos seguros.

O BPI, que apresentou resultados a 19 de Outubro, tinha lucrado 23 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano (menos 87,4% em relação ao homólogo, devido custos com redução de quadros e o impacto negativo da venda de 2% do Banco de Fomento Angola). 

Sem considerar o efeito BPI, as receitas 'core' passam de 4.939 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2016 para 5.434 milhões no mesmo período deste ano. Dos 120 mil milhões de euros relacionados com sinergias entre os dois bancos, o CaixaBank refere que já estão realizados 103 mil milhões de euros. 

O Common Equity Tier 1 do grupo CaixaBank, rácio que avalia o peso dos capitais de melhor qualidade do banco, recuou 0,7 pontos percentuais no espaço de um ano - para 11,7%, após integração do BPI -, ficando no entanto "em linha com o intervalo fixado no plano estratégico, de 11%-12%, e quase três pontos percentuais acima dos requisitos do supervisor, de 8,75%," frisa o comunicado da instituição.

O CaixaBank foi uma das centenas de empresas que recentemente alterou a sua sede - da Catalunha para Valência - devido à instabilidade gerada pelas pretensões independentistas da região. É nesta cidade que apresentará esta terça-feira as suas contas.

(Notícia actualizada às 8:01 com mais informação)



Saber mais e Alertas
pub