Banca & Finanças BPI diz que não "empurra" clientes de depósitos para fundos  

BPI diz que não "empurra" clientes de depósitos para fundos  

Os clientes do BPI estão a trocar depósitos por fundos de investimento, mas Pablo Forero diz que é por sua iniciativa. Tudo por conta da política monetária, justificou.   
BPI diz que não "empurra" clientes de depósitos para fundos  
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 25 de julho de 2017 às 17:56

O BPI recusa que esteja a empurrar os clientes com depósitos para os fundos de investimento. Para o líder executivo, Pablo Forero, essa transferência é uma decisão dos próprios clientes, para fugirem à ausência de remuneração nos depósitos.

 

"Nós não empurramos as pessoas. São as taxas de juro negativas que fazem com que as pessoas estejam dispostas a aceitar mais risco para conseguir retornos e rentabilidades um pouco mais altas", respondeu Pablo Forero na conferência de imprensa desta terça-feira, 26 de Julho, em que foram apresentados os prejuízos de 102 milhões de euros no primeiro semestre deste ano.

 

Segundo Forero, estes produtos são transparentes. "Os fundos de investimentos, que são totalmente líquidos, transparentes e muito bem regulados, são a alternativa que os clientes mais gostam", continuou. Os depósitos têm vindo a captar menos aplicações do que os fundos de investimento.

 

"Está a acontecer não só em Portugal, mas também em todos os países da Europa. Também vão para a bolsa, para as obrigações, para outros activos com mais risco", continuou o presidente executivo.

 

Pablo Forero sintetiza: "é precisamente o que procura a política monetária com taxas de juro negativas: mudam-se de poupanças de baixo risco para outras de maior risco".

 

Aliás, no que respeita por área de negócios, as comissões bancárias, as mais importantes, aumentaram 3,2% mas as comissões associadas à gestão de activos (onde estão os fundos de investimento) dispararam 21%, ambos na comparação homóloga. 

 

O BPI apresentou um prejuízo de 102 milhões de euros até Junho, face ao lucro de 106 milhões do primeiro semestre do ano passado. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 26.07.2017

O BPI até tem poucos fundos.

pub
pub
pub
pub