Research BPI: Nos pode beneficiar do aumento de pressão sobre a Altice

BPI: Nos pode beneficiar do aumento de pressão sobre a Altice

O BPI admite que se a pressão sobre a Altice continuar a aumentar, a empresa terá de se focar no principal, e isso poderá fazer reduzir a sua atenção sobre o mercado nacional. A principal beneficiária será a Nos. Ainda assim, este não é o cenário central.
BPI: Nos pode beneficiar do aumento de pressão sobre a Altice
Miguel Baltazar/Negócios
Sara Antunes 20 de novembro de 2017 às 11:52

"A Altice parece estar sob grande pressão dos investidores, devido ao seu balanço altamente alavancado. Pensamos que o aumento da percepção de risco traz alguns riscos para a compra da Media Capital", afirma o analista Pedro Oliveira num pequeno comentário de análise a que o Negócios teve acesso.

 

O comentário surge depois de a Altice ter emitido um comunicado, reiterando que não vai avançar com mais aquisições de peso. E que não está a preparar qualquer aumento de capital. Este comunicado surgiu depois de na semana passada a pressão sobre a Altice ter aumentado, especialmente depois de conhecidos os resultados dos primeiros nove meses, com a dívida a superar os 50 mil milhões de euros. 

O BPI admite vários cenários, "se a pressão se amontoar", entre eles está "a redução do foco nas operações em Portugal, o que pode dar à Nos uma oportunidade para uma segunda onda de ganhos materiais de quota de mercado." Ainda assim, este "não está a ser considerado como o cenário base" do BPI.

 

Noutro plano, o BPI diz que a intenção de a Altice vender activos não-core, como o caso das antenas, poderá levar a que haja uma entrada de uma nova empresa em Portugal, a Cellnex. "A vontade de vender torres de comunicações pode fornecer uma oportunidade interessante para a Cellnex continuar a expandir as suas operações em França e entrar num novo mercado (Portugal)."

Depois do comunicado emitido no domingo, 19 de Novembro, as acções da Altice estão a reagir em alta, recuperando parte daa fortes quedas registadas na semana passada. 

Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Entrei na Nos já a bastante tempo com grande potencial de valorização prefiro a 1000x do que a trampa da pharol sempre a subir para quedas livres

Anónimo Há 3 semanas

NOS já devia ter aproveitado mas como são limitados, apesar da má gestão da Altice, pouco ou nada conseguiu. Apenas inflacionou os custos dos direitos de futebol uns meros 300%. Benfica, Sporting e Porto agradecem. Os acionistas lambem as feridas...

Saber mais e Alertas
pub