Banca & Finanças BPI paga entre 8% a 10% para emitir 350 milhões de dívida subordinada

BPI paga entre 8% a 10% para emitir 350 milhões de dívida subordinada

O BPI vai pagar uma taxa de 8% a 10% para emitir 350 milhões de dívida subordinada. Em causa está um custo líquido de 21 a 26 milhões de euros. “Esta emissão deverá ter um impacto significativo na rentabilidade doméstica do BPI”, alerta o CaixaBank no prospecto da OPA.
BPI paga entre 8% a 10% para emitir 350 milhões de dívida subordinada
Maria João Gago 16 de janeiro de 2017 às 22:29

O CaixaBank prevê que o BPI vá pagar uma taxa de juro entre 8% e 10% para colocar 350 milhões de euros de dívida subordinada, emissão que terá de realizar para cumprir as exigências de solidez definidas pelo Banco Central Europeu para a instituição liderada por Fernando Ulrich. O grupo catalão alerta que esta operação "terá um impacto significativo nos resultados do BPI".

 

A previsão relativa ao custo da emissão de dívida subordinada consta do prospecto da oferta pública de aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI. "De acordo com as estimativas realizadas pelo oferente, e assumindo um custo estimado de emissão de 8%-10% na presente data (e numa base de stand alone) e uma taxa de IRC em Portugal de 29,5%, o custo estimado anual após impostos desta emissão seria de €21m-€26m, ou 23%- 28% dos resultados domésticos do BPI em 2015", refere o documento.

 

Com base nesta estimativa, "baseada em operações precedentes similares realizadas por bancos espanhóis domésticos de média dimensão", o CaixaBank avisa os investidores que a emissão de dívida subordinada "deverá ter um impacto significativo na rentabilidade doméstica do BPI".

 

O facto de o BPI ter uma "rentabilidade do negócio doméstico inferior aos pares", que será ainda mais penalizada pelos custos da emissão de dívida subordinada, é um dos argumentos apresentados pelo CaixaBank para oferecer 1,134 euros por acção na OPA sobre a instituição.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub