Banca & Finanças BPI regista prejuízo de 102 milhões no primeiro semestre

BPI regista prejuízo de 102 milhões no primeiro semestre

O impacto da venda de 2% do BFA e o programa de saída voluntárias causou um prejuízo de 102 milhões de euros no primeiro semestre.
A carregar o vídeo ...
Diogo Cavaleiro 25 de julho de 2017 às 16:54

O BPI ficou com um prejuízo de 102 milhões de euros no primeiro semestre de 2017. A justificar o resultado negativo, que compara com o lucro de 106 milhões no mesmo período de 2016, estiveram a venda de 2% do Banco de Fomento Angola (BFA) e o programa de saídas voluntárias.

 

Segundo comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BPI reforça que excluindo estes efeitos não recorrentes, o resultado líquido tinha sido positivo, na ordem dos 188 milhões de euros. O banco sublinha que, nesta comparação com os 106 milhões do primeiro semestre do ano passado, haveria um crescimento de 77% em resultados.

 

Contudo, a venda de 2% a e desconsolidação do BFA – que já tinha penalizado o primeiro trimestre – pesou no desempenho, com o seu impacto a ser de 212 milhões de euros. Também o encargo de 106 milhões de euros com os programas de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo contribuiu para o prejuízo semestral.

                                              

Dívida subordinada penaliza margem

 

Olhando para a conta de resultados, o banco liderado pelo espanhol Pablo Forero (na foto - a aprovação do Banco Central Europeu chegou antes da conferência de imprensa de apresentação de resultados semestrais) registou uma margem financeira de 200 milhões de euros, o que representa uma quebra homóloga face aos 203 milhões do ano passado.

 

A emissão de dívida subordinada que a instituição financeira fez este ano teve um custo de 4 milhões e acabou por penalizar a margem – a diferença entre os juros recebidos em créditos e os juros pagos em depósitos. As comissões líquidas aumentaram de 132 para 138 milhões de euros.

 

O produto bancário caiu, no espaço de um ano, de 366 para 289 milhões de euros (Janeiro a Junho). Foi neste indicador que se sentiu, em grande medida, o impacto da desconsolidação da operação angolana. 

 

Olhando para a estrutura, os custos aumentaram de 257 milhões para 339 milhões de euros, sendo que a instituição financeira atribuiu a evolução aos efeitos não recorrentes de 106 milhões (a questão do programa de rescisões). "A disciplina de custos está a dar os resultados correctos", comentou Forero na conferência de imprensa desta terça-feira.

 

No que às imparidades diz respeito, a rubrica de novas imparidades e provisões para créditos caiu de 36 milhões, no primeiro semestre de 2016, para 17 milhões, no mesmo período do ano seguinte. 

Rácio desce

 

Em relação à solidez, o rácio Common Equity Tier 1, que mede o peso do melhor capital do banco segundo as regras que vierem a ser exigidas, deslizou de 11,1%, em Dezembro do ano passado, para 10,9%, em Junho deste ano, csofrendo o impacto da venda de 2% do BFA.

 

O crédito total do BPI avançou, em termos homólogos, 0,3% para 23.494 milhões de euros, sobretudo com o ganho nas empresas. Já os depósitos subiram 1,6% para 20.069 milhões de euros.  

 

O crédito com incumprimento representava, no final do semestre, 3,1% do crédito bruto total, face a 4% de um ano antes.   

 

(Notícia actualizada às 17:28)




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 25.07.2017

A chafarica no seu melhor!!!!!!!

comentários mais recentes
Fernando Ulrich é outra abécula incompetente! 25.07.2017

Pois é o BPI já cotou a 7 € em 2006! Agora vale 7 vezes menos! Mandem as banquetas pró caaralho pq só os CEO é q ganham os outro fornicam-se! Fizeram uma OPA ao BPI a 7 € e o salafrário Ulrich aconselhou a não vender! O palerma tinha medo de perder o tacho e desgraçou os accionistas!

Investidor 25.07.2017

Os bancos portugueses estão a melhorar os seus resultados recorrentes, fruto da normalização da actividade. O BPI não foi excepção. De resultados correntes teve 188M€, +77% que no ano passado. As coisas estão a voltar ao normal, cada vez mais a crise se afasta. Veremos se com o BCP será igual

Oposição 25.07.2017

Banca de merda...um dia destes conto-vos aqui uma história que se está a passar com uma pessoa que me é próxima e depois vão perceber o que estou a dizer.O lucro deles ainda vem da ex-colónia.Não precisavam de Africa.LOL.

xuxaki 25.07.2017

Bpi a 1,55?? em que planeta??

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub