Empresas BPI com prejuízos de 203 milhões de euros

BPI com prejuízos de 203 milhões de euros

O BPI reportou um prejuízo de 203 milhões de euros, num período em que o banco liderado por Fernando Ulrich teve de registar cerca de 500 milhões de euros de provisões.
Sara Antunes 02 de Fevereiro de 2012 às 17:05
O prejuízo do BPI foi de 203,9 milhões de euros, o que compara com o lucro de 184,8 milhões de euros registados em igual período de 2010, revela o banco em comunicado emitido para a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).
Este prejuízo surge depois do banco ter registado uma imparidade referente à exposição de 339 milhões de euros à dívida grega. Bem como de 71 milhões de euros devido à transferência do fundo de pensões do banco para a Segurança Social, explica o banco em comunicado.

No total, entre as provisões e imparidades com o crédito e outras imparidades e provisões, o BPI teve de reflectir nos resultados 603,3 milhões de euros, o que justifica os prejuízos obtidos no ano passado.

“Os impactos negativos foram parcialmente compensados por ganhos realizados com a recompra de emissões de dívida própria (+81 milhões de euros) e com a contribuição em espécie de 11% da Viacer (+ 60 milhões de euros) para o fundo de pensões”, adianta a mesma fonte.

Excluindo os itens não recorrentes, o BPI registou um lucro de 115,9 milhões de euros.

O produto bancário do BPI caiu 7,3% para 1,02 mil milhões de euros, num período em que a margem financeira recuou 13,2% para 576,8 milhões de euros. As comissões e outros proveitos também diminuíram em 5,4% para 297 milhões de euros.



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Chaves 03.02.2012

Não é difícil brincar com o dinheiro do povo.Se der para bem, os gestores e outros recebem bonus milionários, se dá para o torto, então os aforradores, depositantes que fiquem sem o seu dinheiro. É a democracia que temos. E os vilões nada lhe acontece.Assim não peçam que o povo poupe, e não lhe garantam 100000 euros por titular, porque se a instituição falir, ai de quem tem dinheiro, apliquem sim, uma maior super visão e responsabilizem quem gere, com prisão ou penhora dos seus bens.

lol............ 02.02.2012

Mais iluminados..........................

Mr Pontes 02.02.2012

Sempre exigi aqui a verdade das contas das empresas cotadas, porque muitas andaram muitos anos a enganar os accionistas.
Pois hoje o BPI escreve no seu relatório que recorreu a algumas verdades que eu sempre exigi, excepto em dois "truques" que identifico abaixo: vejam página 9 em http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/FR37349.pdf " Em Setembro de 2011 o BPI já tinha abatido ao capital core tier 1 (mas sem reflectir esse abate em resultados) 100.8 M.Eur correspondentes a 21% do valor nominal dos títulos registados na carteira de disponíveis para venda". E, na página anterior, a 8, "No final do mês de Outubro, o Banco BPI reconheceu imparidade para os títulos de dívida soberana
da Grécia na carteira de activos disponíveis para venda (valor nominal de 480 M.€). O valor registado
em imparidades do exercício (401 M.€ antes de impostos) teve por base o preço de mercado de 31
Outubro 2011 (36%) e inclui 54 M.€ de menos valias potenciais em derivados pelo efeito da
contabilidade de cobertura do risco de taxa de juro fixa". Ou seja, esta verdade só veio de Outubro para a frente. Mas veio.

Ou seja, até Setembro escondeu as perdas em Capitais Próprios, agora nos Resultados do ano de 2011, apresentou a verdade com a totalidade das imparidades de dívida grega debitadas em Resultados.

Entrando nos Resultados, sobretudo os recorrentes, que a Margem Financeira nos 3 meses do 4T2011 tivessem sido: 147,3 M de Eur no 4T2011, versus 136,9 M de Eur no 3T2011, uma quebra de -7%.
Por comparação com a média dos 3 primeiros trimestres de 2011: a Margem financeira foi de 576,8 M de Eur no ano de 2011, quando tinha sido de 442 M de Eur nos primeiros 9 meses de 2011, ou seja foi de 134,8 M de Eur no 4T2011, quando a média dos 3 primeiros trimestres de 2011 foi de 147,3 M de Eur, uma queda de -8,5%.
Mau, preocupante, a evaporação dos Capitais Proprios, ou sejam os Capitais dos accionistas: de 1.446,6 M de Eur no final de 2010, passaram para apenas 550,3 M de Eur no final de 2011, ou seja passaram para ... apenas 38% do valor de 2010. Mas aqui um primeiro "truque": com apenas 550,3 M de Eur de capitais dos accionistas, o banco consegue apresentar para efeito de core Tier 1 capitais core de ... 2.401,6 M de Eur!!!!!!!!!!!!! (página 3 do citado Relatório), ou seja, mais de 4 vezes o verdadeiro capital dos accionistas. Como é possível este milagre? Simples, mas preocupante: as autoridades de supervisão permitiram uma série alargada de instrumentos que não são capital puro, e que entram no core capital: como provisões gerais não afectadas a situações específicas, ou produtos híbridos que ainda se irão alargar mais com os pouco simpáticos CoCos (titulos convertiveis em capital, caso o core Tier I baixe dos patamares mínimos). Enfim, é um truque actual da Banca, onde o Estado colaborará, e onde o Banco de Portugal ainda deu uma "mãozinha" permitindo que as Imparidades com a passagem do Fundo de Pensões dos Bancos, para o Estado, só afectassem, negativamente, o core Tier I em...30/06/2012, e não em 31-12-2011 que é a data efectiva da perda. Portanto, truque nos Bancos, com a ajuda do Estado (com os CoCos), do Banco de Portugal, e a autoridade europeia de supervisão.

Mas as contas do BPI têm um segundo truque, escondido por detrás dos CoCos: é que ainda não refletem a desvalorização para preços de mercado da dívida portuguesa, situação que os CoCos procurarão acomodar, mas com a contingencia dos CoCos serem convertiveis em acções e aí, há a possibilidade de mais esmagamento dos accionistas.

Avaliação: com base em Resultados antes de impostos mais amortizações, liquidos de impostos, e recorrentes de 85,49 M de Eur por ano, actualizados de forma prudente devido ao perigo iminente dos CoCos, e divididos pelas 990 milhões de acções, obtenho um target de 0,576 Eur por cada acção do BPI. Recomendação: REDUZIR, pois têm uma margem de valorização de apenas +23%, e tem a contingência forte dos Cocos convertíveis.

Rapaz 02.02.2012

Podemos aferir destes resultados o que quisermos, dependendo das perspectivas e interesses, mas, a meu ver, estes resultados estão muito abaixo das espectativas que já eram horriveis!Prejuizos, sem dividendos que suportem o investimento, péssimas perstectivas futuras com o País no caos!Um investimento em acções, tem que ter retorno em dividendos, no mínimo 10% anuais, sem esta permissa, não é investimento, é casino!!!Os bancos não darão dividendos nos próximos 5 (cinco) Anos.Os resultados do primeiro trimestre de 2012 dos bancos dar-me-ão razão!Um investimento a longo prazo, como faço sempre, deve ter em conta o pagamento de 10% anual sobre o investimento inicial!O meu price target ao BPI é de 0,30€.Estejam atentos

ver mais comentários
pub