Web Summit Bradley Tusk: “Os EUA não querem saber" o que o mundo pensa deles

Bradley Tusk: “Os EUA não querem saber" o que o mundo pensa deles

Na manhã em que Donald Trump foi confirmado como próximo presidente eleito dos EUA , o primeiro painel do Web Summit foi um resumo de “vergonha”, incredulidade e alguma revolta pelo resultado. Mas também de esperança.
Bradley Tusk: “Os EUA não querem saber" o que o mundo pensa deles
Bruno Simão
Isabel Aveiro 09 de Novembro de 2016 às 14:40

Ainda o primeiro painel do terceiro dia do Web Summit, em Lisboa, não tinha começado, e já Paddy Cosgrove dava o mote para o que iria ser o debate sobre "os pós eleições com Bradley Tusk, Owen Jones, Shailene Woodley e David Patrikarakos, ao pedir para a plateia acender as lanternas dos seus telemóveis.

O pedido é comum em conferências, para motivar a audiência entre comunicações, mas desta feita a razão foi original: para iluminar "a grande incerteza" e "mesmo escuridão" com que os EUA e o resto do mundo acordaram esta quarta-feira, 9 de Novembro, ao confirmar-se a eleição de Donal Trump como futuro presidente dos EUA. Mas a mensagem também teve esperança: "nós todos, eventualmente, trabalharemos para um mundo melhor", disse Cosgrave, parafraseando o chavão que "nenhuma noite, por mais longa que seja, é maior que o dia".

No painel, o editor do site norte-americano "Daily Beast" David Patrikarakos começou o debate, não sem antes opinar que em breve muitos cidadãos dos EUA iriam "começar a procurar abrigo e comida para os próximos anos". Foi o primeiro de uma série de aplausos dos 20 minutos que se seguiram.

Bradley Tusk, norte-americano, fundador do conjunto de empresas homónimas que criou desde 2010, mas também ex-adjunto do Mike Bloomberg - antigo democrata e republicano (até 2007), três vezes eleito "mayor" de Nova Iorque, e fundador da agência noticiosa Bloomberg - não poupou nos adjectivos.

O CEO da Tusk Holdings tentou explicar porque Trump bateu Clinton. Sobre Hillary, defendeu que "os americanos não gostam" que nenhum político diga "é a minha vez". Reconheceu que Trump pode parecer um "palhaço" por vezes, mas que "não é estúpido" e tinha uma mensagem a dar. Acredita que o mesmo político republicano rentabilizou "a raiva" de uma parte da população "que está muito lixada" com os governantes do país. "Metade do nosso país está muito zangado, e o problema não vai embora enquanto não for resolvido".

O antigo adjunto de Mike Bloomberg declinou a ideia que o Partido Republicano irá desaparecer depois da eleição de Trump, defendeu que "ficaria muito chocado" que no Congresso, nos próximos anos, "não houvesse uma mudança" com perda para os republicanos, que o dominam agora, com vantagem para os democratas em 2018.

Pelo meio, admitiu que nas horas que antecederam ao painel da manhã desta quarta-feira, depois de saber os resultados, se sentiu "meio envergonhado de estar nesta sala" do Meo Arena, onde está o palco principal do Web Summit, mas sublinhou: "Trump é parte dos EUA, mas nós sobreviveremos", como noutras alturas do país. E defendeu, que enquanto para o mundo "os EUA" e as eleições que ocorreram "são uma coisa enorme", o inverso já não se aplica: "90% dos americanos [cidadãos dos EUA] não querem saber" o que o resto do mundo pensa deles, sublinhou. Para a larga maioria dos EUA, o resto do mundo "não existe".


O feminismo teve uma dupla derrota?

Também norte-americana, a actriz, activista e co-fundadora do movimento "Up to us", Shailene Woodley, foi a primeira a perguntar – "o que é que aconteceu hoje?", ainda o painel não tinha acabado de se sentar.

Woodley, que defendeu que, como actriz e viajando muitas vezes para a Europa foi confrontada nos últimos meses sobre a candidatura de Trump, defendeu que, com a sua eleição a questão alargou-se – "este é um problema internacional" com o qual o mundo vai ter de lidar daqui para a frente.

A protagonista principal da saga "Divergente" e secundária nos "Descendentes", que arrancou aplausos da plateia por diversas vezes, criticou as redes sociais e a sua radicalização. "Há tanto medo na nossa nação [EUA] agora, temos que lidar com isto, temos que enfrentar a realidade, não podemos que o medo interfira com o progresso". Nos EUA, alertou, "há pessoas a sofrer há muito tempo", disse, para acrescentar que acredita que "as pessoas vão unir-se" após a eleições de Trump, para formarem algum tipo de "consenso saudável" para o país.

Questionada pelo moderador David Patrikarakos, se a derrota de Hillary Clinton e a vitória "do mais misógino" candidato que os EUA alguma vez teve era duplamente penalizadora para as mulheres, Shailene Woodley, de 24 anos, respondeu que "o feminismo é um movimento", Trump é uma pessoa. A sua eleição "não vai ferir" o movimento de pessoas que lutam para dar mais poder às mulheres e "mudar a forma como as mulheres se vêem", mas "inspirar mais gente que há ainda muito trabalho a fazer".

"A maior calamidade pós-II Guerra Mundial"

Bastante mais pessimista, o britânico Owen Jones, 32 anos, escritor e colunista no The Guardian considerou a vitória de Donal Trump como "a maior calamidade desde a II Guerra Mundial". O candidato republicano, classificado por Jones como "racista e misógino", capitalizou "o descontentamento massivo" com "o populismo", culpando "os outros pelos problemas: o pobre, os negros". Uma política assente "no medo", que o escritor associou também à vitória do Brexit.

Os "EUA são uma nação extremamente polarizada", "uma nação extremamente dividida", classificou. Rejeitou contudo a diabolização das redes sociais nesta campanha eleitoral. ""Milhões de votantes [dos EUA] não estão no Twitter" e a verdade é que os cidadãos dos EUA "escolheram" um político "instável" com laivos de "psicopata", "racista e misógino" para os governar, pelo menos, nos próximos quatro anos. E "este é o tipo que vai ter acesso ao código nuclear a partir de Janeiro", desabafou para o público.

Owen Jones concluiu que "teremos horas negras" em resultado da votação eleitoral desta terça-feira, mas tentou deixar uma palavra de esperança à plateia: "há duas Américas". A que elegeu o Trump, mas também aquela que "lutou pelos direitos dos negros, das sufragistas", a "que lutou pelos direitos dos trabalhadores", a "de Martin Luther King". E "será esta que será vitoriosa" no final, disse acreditar, por entre aplausos.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

ACONSELHO OS EUROPEUS A FAZEREM UMA VISITA DE ESTUDO AOS EUA

VÃO ENTRAR NUM MUNDO DE CONTRASTES - SÃO VÁRIOS PAÍSES QUE SE UNIRAM

É UM MUNDO CÃO

NÃO OS CRITIQUEM... SEMPRE FORAM ASSIM...

Anónimo Há 3 semanas

Trump disse há cercade 20 anos que iria um dia candidatar-se a presidente dos EU, mas seria pelo partido republicano porque os seus eleitores eram mais burros. Palavras do presidente eleito em 2016

Anónimo Há 3 semanas


Os burros.

Curiosamente (ou não) a maioria dos que chamam burros aos eleitores Americanos, por elegerem Trump...

São os burros que elegeram o Socrates Gatuno e o Costa Ladrão, que levaram Portugal à bancarrota!

Gatunos Há 3 semanas

Este palhaços do WebSummit pensam que os povos são 100% imbecilizados ? Pensam que não sabem por a lavar sanitas os "génios" que aprovaram a globalização para deslocar as fabricas para a China e por o povo no desemprego ?
Pensam que o povo é imbecil e como tal tem que pagar as bancarrotas e roubos dos banco ?
Pensam que o povo será eternamente escravo com pesados impostos para alguns ficarem super milionários que pouco pagam de impostos pois lavam os lucros em offshores ?
A era de INFORMAÇÂO também chegou aos cérebros do povo de NÂO GENIOS, e como tal o povo aprendeu a identificar os politicos e ELITES corruptas e gatunas, depois as "elites" ficam de boca aberta como o povo vota.
Vai haver muitos "Trumps" e Brexits nesta UE e neste planeta, pois estamos na REVOLUÇÂO DA INFORMAÇÂO que se libertou da DITADURA DOS MEDIA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub