Petróleo Brent negoceia abaixo dos 45 dólares pela primeira vez desde Novembro

Brent negoceia abaixo dos 45 dólares pela primeira vez desde Novembro

O petróleo negociado em Londres está a ser transaccionado abaixo da marca dos 45 dólares por barril, o que acontece pela primeira vez desde 15 de Novembro. Também o crude negociado em Nova Iorque negoceia em mínimos de 14 de Novembro. Perfil belicista do novo príncipe da Arábia Saudita ameaça desestabilizar Médio Oriente.
Brent negoceia abaixo dos 45 dólares pela primeira vez desde Novembro
David Santiago 21 de junho de 2017 às 18:38

O Brent do Mar do Norte, transaccionado em Londres e utilizado como valor de referência para as importações nacionais, está na tarde desta quarta-feira, 21 de Junho a cair 2,43% para 44,90 dólares por barril, o que significa que o crude negociado na capital inglesa está abaixo dos 45 dólares pela primeira vez desde 15 de Novembro do ano passado.

 

Também o West Texas Intermediate (WTI), transaccionado em Nova Iorque, segue a tendência ao recuar 2,18% para 42,56 dólares por barril, estando o WTI em mínimos de 14 de Novembro de 2016. O Brent e o WTI negoceiam em queda pelo segundo dia consecutivo.

 

De uma forma geral é a perspectiva de que o persistente excesso da oferta mundial de crude irá continuar a pressionar o preço da matéria-prima que está a pressionar o preço do petróleo.

 

O que significa que a estratégia dos países exportadores de petróleo (OPEP) não está a produzir o efeito desejado de estabilização em alta dos preços do crude. Nesta altura, o petróleo segue a negociar nos mercados internacionais em níveis registados em Novembro último, mês em que a OPEP acordou um corte à produção da generalidade dos países que integram o cartel.

 

O corte entrou em vigor em Janeiro passado, sendo que entretanto a OPEP, juntamente a outros países como é o caso da Rússia, decidiram prolongar o corte à produção petrolífera até Março de 2017. Este corte começou por assegurar uma valorização do petróleo, porém, a forte produção americana e o volume elevado das reservas petrolíferas dos Estados Unidos tem contribuído para vetar ao insucesso a estratégia da OPEP.

 

Por outro lado, as notícias conhecidas esta quarta-feira sobre a escolha de um novo príncipe herdeiro na Arábia Saudita estão também a pressionar o preço do crude.

 

O rei saudita Salman designou o seu filho Mohammed bin Salman (31 anos de idade) como príncipe herdeiro da monarquia saudita, fazendo deste o primeiro na linha de sucessão do actual rei.

 

Mohammed bin Salman, até aqui ministro da Defesa, vai acumular com a chefia das forças armadas sauditas o cargo de vice-primeiro-ministro. Os mercados receberam esta notícia com algum receio, em especial devido ao perfil do novo príncipe herdeiro que, em mais do que uma ocasião, defendeu a intervenção militar directa no Iémen, sendo também favorável a uma lógica de confrontação com o Irão.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump Há 1 dia

Secalhar vende-se melhor guarda chuvas num beiral dum incendio do que num dia de chuva.Como as coisas mudam,sem que acordemos para elas.

Nicolas Verde Há 1 dia

Espero que o meu irmão Maduro se lixe com esta baixa de preço...hihihihihi

pub
pub
pub
pub