Imobiliário Brexit “agitou” britânicos a vender casas no Algarve

Brexit “agitou” britânicos a vender casas no Algarve

A desvalorização da libra face ao euro depois do voto na saída do Reino Unido da União Europeia foi o gatilho para uma tendência que tem no Algarve o seu expoente. Se os britânicos estão a vender, o mercado fica em equilíbrio com os franceses a comprar.
Brexit “agitou” britânicos a vender casas no Algarve
Pedro Elias
Negócios com Bloomberg 11 de janeiro de 2017 às 10:14

O voto na saída do Reino Unido da União Europeia – e a consequente queda da libra britânica – estão a desencadear uma "agitação" nos negócios imobiliários em Portugal. A agência Bloomberg dá conta que os britânicos com segundas propriedades no país estão a vendê-las – às vezes em desconto e mesmo assim com lucro.


A agência noticiosa diz que não houve "local mais notório" para confirmar esta tendência que o Algarve, destino tradicionalmente britânico mas onde os franceses estão a aumentar. Veja-se o caso concreto de Peter Thompson, consultor de saúde britânico que passa metade do seu ano com a mulher no Algarve.


Semanas antes de o Reino Unido ter votado no Brexit, o britânico vendeu uma das suas duas casas em Tavira, beneficiando da queda da libra face ao euro. Tinha-a comprado no final de 2015 a outro britânico, "em desconto", depois de o Reino Unido ter anunciado que iria referendar a saída da União Europeia. Agora, obteve uma margem de 10% devido a estas variações cambiais.


"Não queríamos ter duas casas em Portugal. A altura foi quase perfeita para vender porque nos permitiu aproveitar a libra mais fraca", explica Peter Thompson à Bloomberg. Tendência que o sector diz também estar a sentir.


"O número de compradores britânicos diminuiu mal a libra esterlina começou a desvalorizar com o voto no Brexit", conta Zoe Hawker, presidente da Fine & Country Algarve, que tem cerca de 900 propriedades para vender. "Por outro lado foi muito bom porque os franceses estão a vir e a comprar", lembra.


A libra caiu cerca de 12% em relação ao euro desde o voto no Brexit, lembra a Bloomberg. Antes do referendo, os britânicos faziam 80% nos negócios da Fine & Country Algarve. Hoje, pesam 40% dos clientes que querem comprar.

 

Preços das propriedades a subir

Com a subida do preço das propriedades em Portugal, a força do euro em relação à libra é visto como mais um incentivo à venda pelos britânicos. No terceiro trimestre de 2016, e em termos homólogos, os preços das casas subiram 9,1% a nível nacional. A expectativa dos especialistas é de que os preços das casas no Algarve subam 5% em 2017.

Apesar do sol, da praia e do golfe serem fortes atractivos para os britânicos em Portugal, certo é que os franceses assumiram a liderança entre os estrangeiros a comprar propriedades em Portugal. França representa uma em cada quatro compras, mostram os dados da APEMIP, associação que representa os agentes imobiliários portugueses.


"Alguns britânicos, que compraram imobiliário português há décadas e esperaram que o mercado recuperasse, têm decidido vender. É uma jogada inteligente. Estou certo que os britânicos vão continuar a investir em Portugal", acredita o presidente Luís Lima.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Restaurantes, supermercados,comercio, sofrem 11.01.2017

Há gente que anda no mundo da lua e só sabe olhar para o seu umbigo. Venda de casas a estrangeiros e portugueses no Algarve, só traz trabalho para os portugueses, vendas para as indústrias e comercio nacionais. Os impostos continuam altos, acrescidos de taxas e taxinhas camarárias e não só

pub
pub
pub
pub