Aviação Brexit reduzirá crescimento de passageiros britânicos para metade

Brexit reduzirá crescimento de passageiros britânicos para metade

A agência de notação financeira Moody’s tece um cenário de abrandamento para o sector britânico da aviação nos próximos dois anos. A desvalorização da libra é o principal factor.
Brexit reduzirá crescimento de passageiros britânicos para metade
Bloomberg / Reuters / Getty Images
Negócios 03 de fevereiro de 2017 às 13:05

O ritmo de crescimento dos passageiros britânicos em companhias aéreas deverá reduzir-se para metade. A conclusão é de um estudo da Moody’s, que aponta a desvalorização da libra esterlina e a incerteza económica provocada pelo como os principais motivos.

A perspectiva da agência de notação financeira é traçada com o horizonte de dois anos, admitindo que os efeitos já se estão a fazer sentir. Prova disso é o facto de a Easyjet e a British Airways terem vindo, ao longo dos últimos meses, a rever em baixa as suas perspectivas de crescimento.


A Moody’s explica que, apesar das companhias aéreas terem a maioria das receitas em libras, os custos continuam a ser tratados em dólares americanos, o que os torna mais caros. É precisamente para os Estados Unidos da América que se prevê uma quebra mais acentuada do número de viajantes britânicos, que tenderão a procurar opções de férias mais perto de casa.


São sobretudo os aeroportos que geram maior fluxo de saída de passageiros os mais prejudicados por este cenário. Manchester, Luton e Birmingham são os exemplos dados.


O estudo mostra ainda que o sector da aviação britânico poderá sair ainda mais afectado com a saída do Reino Unido da União Europeia, já que tal poderá implicara saída de acordos como o Espaço Comum Europeu de Aviação.


Para o vice-presidente da Moody’s, Xavier Lopez del Rincon, é possível que o Reino Unido se mantenha neste acordo mas tal não pode ser encarado como garantido.


A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Tereza economista 03.02.2017

Reduzirá para menos ainda, pois nada cativa Inglaterra, nem o clima, nem a simpata das pessoas, nem a gastronomia, em visitando os monumentos exit.

pub
pub
pub
pub