Tecnologias Brexit sobe os preços dos produtos da Apple

Brexit sobe os preços dos produtos da Apple

Os produtos da gigante norte-americana subiram 20% no Reino Unido. A nova subida de preços pós-Brexit vem após o lançamento dos novos computadores da Apple.
Negócios 28 de Outubro de 2016 às 13:13
O Mac Pro agora custa 2.999 libras (3.357,21 euros), acima das 2.499 libras no início da semana. A Apple agora cobra 479 libras pelo Mac Mini, acima das anteriores 399. Estas alterações de preços não se registaram nos Estados Unidos, refere a Bloomberg.
 
O The Guardian descreve as subidas de preços dentro dos modelos de computadores portáteis da Apple. Em 24 horas, o modelo mais barato, o MacBook Air de 13 polegadas, subiu de 849 libras para 949 libras. Os modelos mais antigos do MacBook Pro, com ecrãs Retina de 13 e 15 polegadas, custam agora 1.249 e 1.899 libras respectivamente. Um dia antes os mesmos computadores custavam respectivamente 999 libras e 1.599 libras.
 
Esta é já a segunda subida de preços da Apple no Reino Unido, após o aumento do preço-base dos novos modelos do iPhone entre 11% e 16%.
 
No início da semana, a Microsoft anunciou a subida de preços entre os 13% e os 22%, nomeadamente em serviços empresariais e de armazenamento em cloud.
 
A mesma fonte refere que no início deste mês a cadeia de supermercados Tesco cortou as vendas de Marmite, após o seu fornecedor, a Unilever, ter anunciado que aumentaria os preços dos seus produtos.
 
As alterações dos preços no Reino Unido surgem num contexto de desvalorização da libra desde a afirmação do Brexit. A moeda britânica face ao dólar encontra-se a descer 0,31% para 1,2125 dólares. Um valor tão baixo registou-se pela última vez em meados da década de 80.
 
Mark Garnier, ministro do Comércio britânico, afirmou que os consumidores verão mais aumentos de preços e que não há nada a fazer quanto a isso. "É um efeito previsto do Brexit", comenta.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub