Banca & Finanças Brexit ajuda Morgan Stanley a aumentar lucros

Brexit ajuda Morgan Stanley a aumentar lucros

O banco norte-americano registou lucros equivalentes a 1,46 mil milhões de euros. O aumento da negociação de títulos é um dos motivos para o resultado.
Brexit ajuda Morgan Stanley a aumentar lucros
Bloomberg
Negócios 19 de Outubro de 2016 às 13:28

O banco Morgan Stanley anunciou esta quarta-feira, 19 de Outubro, lucros acima do esperado pelos analistas no último trimestre.


O aumento da negociação de títulos que se seguiu ao voto dos britânicos na saída da União Europeia – Brexit – é um dos factores a justificar este resultado.


A instituição registou lucros de 1,6 mil milhões de dólares (1,46 mil milhões de euros), acima dos 1,02 mil milhões registados no mesmo período do ano passado.


Por sua vez, as receitas subiram 15% para os 8,91 mil milhões de dólares, comparando com os 7,77 mil milhões em termos homólogos.


O CEO James Gorman já tinha feito saber que a negociação de títulos é uma das prioridades do banco, com a criação de uma unidade com dimensão suficiente para apoiar clientes sem colocar em causa as contas da instituição.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS ATUAIS PENSÕES SÃO PAGAS PELOS DESCONTOS DOS ATUAIS TRABALHADORES.

Os reformados, que hoje estão "entre os críticos mais vociferantes", "não descontaram o suficiente para as reformas que agora gozam", pelo que não faz sentido protestar contra os cortes "como se fosse um roubo nos montantes acumulados".

Se alguém pode dizer-se roubado, não são os atuais pensionistas, mas os seus filhos e netos, que suportarão as enormes dívidas acumuladas nos últimos anos.

pub
pub
pub
pub