Transportes Brisa entra no negócio das áreas de serviço

Brisa entra no negócio das áreas de serviço

A concessionária portuguesa vai ter uma participação maioritária na nova empresa em que será parceira do grupo francês e prevê resultados visíveis desta parceria para o primeiro semestre do próximo ano.
Brisa entra no negócio das áreas de serviço
Bruno Simão/Negócios
Negócios 19 de dezembro de 2016 às 19:31

A Brisa e a Areas, do grupo francês Elior, assinaram esta segunda-feira uma parceria para a gestão, exploração e desenvolvimento comercial de áreas de serviço nas auto-estradas, anunciou a concessionária em comunicado.

A nova empresa, chamada Brisa Áreas de Serviço, na qual a Brisa tem uma participação maioritária, irá gerir directamente 13 das 25 áreas de serviço da rede Brisa Concessão.

De acordo com o grupo liderado por Vasco de Mello (na foto), "esta parceria tem como objectivo dinamizar as áreas de serviço como ponto focal de relacionamento entre os clientes e a concessionária".


A Brisa Áreas de Serviço, é ainda referido no comunicado, "irá investir na renovação das infra-estruturas e na introdução de uma oferta inovadora de produtos e serviços", prevendo-se que, no segundo semestre do próximo ano, já sejam visíveis os primeiros resultados do trabalho desta parceria.


Bruxelas aprovou no passado dia 6 de Dezembro a parceria entre a Brisa e a Áreas e a criação da nova empresa comum.

Segundo a descrição da concentração a Bruxelas, a Áreas "está presente em quatro aeroportos, nomeadamente Lisboa, Porto, Faro e Funchal". Nas auto-estradas, "a Áreas fornece serviços na A2 (estação de serviço de Almodôvar), A1 (estações de serviço de Antuã, Leiria e Aveiras), na A4 (estação de serviço de Águas Santas) e A8 (estação de serviço de Óbidos).

"A Comissão concluiu que o projecto de aquisição não suscitaria preocupações em termos de concorrência", deliberou Bruxelas, "tendo em conta o seu impacto limitado sobre a estrutura do mercado".


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 20.12.2016

Nao foi a EDP. Foi Cimpor. O Ministério Público acusou, em Maio, o presidente da Brisa pelo crime de abuso de informação privilegiada na OPA da Camargo Côrrea sobre a Cimpor. E Vasco de Mello mantem se impavido e sereno ma administracao de varias sociedades e a CMVM a ver da bancada.

Anónimo 20.12.2016

E ninguem faz noticia do processo contra este Vasco de Melo por causa da comoras ilegal demacoes da EDP? Tudo grandes amigos!

pub