Comércio Bruxelas aprova parceria entre a Brisa e a Áreas

Bruxelas aprova parceria entre a Brisa e a Áreas

Grupo concessionário de auto-estradas português criou uma joint-venture com a Áreas, dos franceses da Elior. A Brisáreas irá gerir às áreas de serviços em vias associadas à Brisa.
Bruxelas aprova parceria entre a Brisa e a Áreas
Bruno simão
Negócios 06 de dezembro de 2016 às 13:28

"A Comissão Europeia autorizou, ao abrigo do Regulamento das Concentrações da UE, a criação de uma nova empresa comum (Brisáreas) pela Brisa — Autoestradas de Portugal, SA e Áreas Portugal — Restauração e Distribuição SA", anunciaram esta terça-feira 6 de Dezembro, os serviços da Comissão, sediados em Bruxelas.

"O caso foi analisado no âmbito do processo simplificado de revisão do Regulamento das Concentrações", adianta a nota enviada às redacções.

A Áreas Portugal é uma empresa portuguesa, "controlada pela empresa Elior SA de França", explica a Comissão, adiantando que a nova parceira da Brisa já "explora concessões de serviços alimentares nos aeroportos e áreas de serviço das auto-estradas em Portugal e noutros países do Espaço Económico Europeu".

Segundo a descrição da concentração a Bruxelas, a Áreas "está presente em quatro aeroportos, nomeadamente Lisboa, Porto, Faro e Funchal". Nas auto-estradas, "a Áreas fornece serviços na A2 (estação de serviço de Almodôvar), A1 (estações de serviço de Antuã, leiria e aveiras), na A4 (estação de dserviço de Águas Santas) e A8 (estação de serviço de Óbidos). 

A joint-venture Brisáreas "será responsável pela gestão, funcionamento e desenvolvimento comercial de áreas de serviço em determinadas auto-estradas geridas pela Brisa em Portugal", segundo o projecto de concentração registado.

"A Comissão concluiu que o projecto de aquisição não suscitaria preocupações em termos de concorrência", deliberou, "tendo em conta o seu impacto limitado sobre a estrutura do mercado".

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub