Empresas Bruxelas dá quase 51 milhões de euros a Portugal por causa dos incêndios

Bruxelas dá quase 51 milhões de euros a Portugal por causa dos incêndios

Através de Fundo de Solidariedade, quatro Estados-membros vão receber de Bruxelas um total de 104 milhões de euros devido aos desastres naturais de 2017. Portugal recebe a fatia maior: são 50,6 milhões de euros.
Bruxelas dá quase 51 milhões de euros a Portugal por causa dos incêndios
Ana Laranjeiro 15 de fevereiro de 2018 às 13:30

A Comissão Europeia propôs hoje, através do Fundo de Solidariedade, a atribuição de um total de 104 milhões de euros a quatro Estados-membros que foram afectados por desastres naturais no ano passado. Portugal recebe perto de metade desse valor: 50,6 milhões de euros.

Assinalando que a região norte e a região centro de Portugal, bem como a região espanhola da Galiza, foram afectadas em 2017 por "violentos" fogos florestais, a União Europeia recorda que "canalizou apoio de emergência através do seu Mecanismo de Protecção Civil e do serviço de satélite Copérnico depois, assistindo financeiramente ao dar flexibilidade no âmbito dos programas de financiamento da União Europeia".

"Em Agosto de 2017, 45 milhões de euros dos fundos de Política de Coesão, através do programa regional do Centro, foram direccionados para ajudar os negócios locais afectados pelos fogos e no restabelecimento das infra-estruturas públicas", assume a Comissão Europeia.

Bruxelas recorda ainda que o desembolso da primeira ajuda, no valor de 1,5 milhões de euros, do Fundo de Solidariedade da União Europeia para Portugal foi feito em Novembro.

O ministro das Infra-Estruturas, Pedro Marques, vai prestar esclarecimentos sobre os projectos em que esta verba será aplicada, esta tarde.

Espanha recebe 3,2 milhões de euros do Fundo de Solidariedade.

França vai receber 49 milhões de euros para a região de Saint-Martin e Guadeloupe, depois da passagem dos furacões Irma e Maria. Esta verba, diz a Comissão Europeia, "vai contribuir para que estas duas regiões" possam recuperar, enquanto "a Comissão procura formas de proteger mais estas regiões dos efeitos das mudanças climáticas".

Por fim, a Grécia recebe 1,3 milhões de euros na sequência do terramoto, em Junho de 2017, na ilha de Lesbos.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 15.02.2018

Ja` da` para um bom aumento nos salarios e pensoes da FP.

Anónimo 15.02.2018

Já dava para comprar um avião de combate aos fogos, como aqueles que Espanha, França, Rússia e até Marrocos têm e por vezes nos emprestam, não? Deixem lá os aumentos constantes, mais bónus e progressões quietos e comprem lá os aviões para que da próxima vez não matem tanta gente por falta de investimento público!

Mr.Tuga 15.02.2018

O pORCO SEBENTO DESLEIXADO e CRIMINOSO tuga é beneficiado com os CRIMES AMBIENTAIS !!!!

O crime compensa....

José 15.02.2018

Para onde vai este dinheiro ? Os meus familiares e amigos nas regiões queixam-se que nada receberam . Muita burocracia , necessidade de entrar com fundos proprios , enfim, mais uma catastrofe. Parece que o dinhairo fica colado nos Institutos e agencias e Lisboa . No terreno muito pouco .

pub