Empresas Bruxelas deverá aprovar negócio ChemChina-Syngenta

Bruxelas deverá aprovar negócio ChemChina-Syngenta

A compra multimilionária, anunciada há um ano, terá sido autorizada pela concorrência europeia. Isso depois de, em Agosto, a par norte-americana ter dado luz verde ao negócio.
Bruxelas deverá aprovar negócio ChemChina-Syngenta
Paulo Zacarias Gomes 02 de fevereiro de 2017 às 16:22
A Concorrência europeia deverá comunicar em breve a luz verde ao negócio de compra da suíça Syngenta pela chinesa ChemChina, uma transacção avaliada em 43 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros à cotação actual).

A autorização da compra terá sido dada, noticia a Reuters citando duas pessoas próximas do processo, depois de as duas empresas se terem comprometido a vender alguns dos activos envolvidos, nomeadamente produtos já existentes e outros em desenvolvimento.

Em causa estão produtos da companhia chinesa e da israelita Adama (comprada pela ChemChina em 2011), além de alguns da Syngenta. A autorização ao negócio não envolve a venda de instalações, fábricas ou a saída de trabalhadores.

Em Agosto a operação já tinha tido o OK do regulador norte-americano. O negócio foi anunciado há um ano, em Fevereiro de 2016.

A Syngenta é a maior produtora mundial de pesticidas e a sua compra pela Chemchina - uma oferta apresentada no início deste ano - é o maior negócio de sempre realizado por uma empresa pública chinesa. Da junção das duas resultará a maior companhia mundial de pesticidas e agro-químicos.

Em Setembro passado a Bayer chegou a acordo para comprar a Monsanto por mais de 58 mil milhões de euros, naquela que foi a maior aquisição do ano.

As acções da Syngenta avançam 0,64% para 427,2 francos suíços. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub