Tecnologias Bruxelas: Impostos ultra-baixos da Apple na Irlanda não foram justificados

Bruxelas: Impostos ultra-baixos da Apple na Irlanda não foram justificados

A Comissão Europeia divulgou um relatório onde explica que o tratamento fiscal dado à Apple na Irlanda não foi justificado. A empresa volta a criticar Bruxelas por ter alterado as regras de forma retroactiva.
Bruxelas: Impostos ultra-baixos da Apple na Irlanda não foram justificados
reuters, bloomberg
Rita Faria 19 de dezembro de 2016 às 15:07

A Irlanda estabeleceu para a Apple uma taxa de imposto ultra-baixa sem exigir que a empresa fundamentasse a sua reivindicação por tal tratamento, indo contra a legislação da UE, diz Bruxelas num documento publicado esta segunda-feira, 19 de Dezembro, e citado pelo Financial Times.

O documento de 130 páginas explica o julgamento da Comissão Europeia de que o tratamento fiscal da Apple na Irlanda violou, de facto, as regras relativas aos auxílios estatais, e justifica a exigência de Bruxelas de que o Governo irlandês receba da tecnológica 13 mil milhões de euros em impostos que não foram cobrados.

Tanto a empresa como o Governo irlandês contestam a decisão. A Irlanda acusa a Comissão de interferir com a soberania nacional e distorcer tanto o direito irlandês como os factos do caso, enquanto a Apple se queixa de ter sido injustamente marcada como um alvo.

A decisão diz ainda que a Apple só forneceu os relatórios justificando o pagamento de uma taxa de imposto tão baixa (0,005%) na Irlanda depois de Bruxelas ter emitido conclusões preliminares contra o regime em 2014.

Na sequência das investigações iniciadas em meados desse ano, a Comissão Europeia concluiu, em Agosto, que dois acordos fiscais estabelecidos com as autoridades irlandesas permitiram à Apple reduzir de forma "substancial e artificial" os impostos pagos no país desde 1991.

Esses acordos aprovaram uma forma de estabelecer os lucros tributáveis para duas empresas do grupo Apple (Apple Sales International and Apple Operations Europe), que não correspondiam à realidade: quase todos os lucros das vendas registadas pelas duas empresas foram internamente atribuídos a uma "sede".

Segundo o comunicado emitido em Agosto, a avaliação da Comissão mostrou que essas "sedes" existiam apenas no papel, não podendo ter gerado os lucros que lhes eram atribuídos. Esses valores não estavam sujeitos ao pagamento de impostos em nenhum país ao abrigo das disposições específicas da legislação fiscal irlandesa, que já não estão em vigor.

Como resultado, a taxa de imposto paga pela empresa sobre os lucros da Apple Sales International desceu de 1% em 2003 para 0,005% em 2014.

Bruxelas exigiu então à Irlanda que cobrasse os cerca de 13 mil milhões de euros em impostos não pagos pela empresa da maçã.

Esta segunda-feira, a Apple voltou a criticar a actuação da Comissão Europeia, que acusa de alterar as regras de forma retroactiva.

"A Comissão tomou medidas unilaterais e alterou retroactivamente as regras, ignorando décadas de legislação tributária irlandesa, lei tributária dos EUA, bem como o consenso global sobre a política tributária, em que todo o mundo confiou", refere a Apple, num comunicado citado pelo Financial Times.

Já o ministério das Finanças irlandês reiterou, no domingo, que a Apple não recebeu um tratamento fiscal favorável no país. "Os impostos foram pagos e não foi prestado nenhum auxílio estatal", afirmou. "A Irlanda não faz negócios com os contribuintes".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
Atomez 19.12.2016

Onde é que está a ilegalidade??? A Irlanda tem um regime fiscal próprio, o IRC é de 12.5% sobre os lucros das empresas dos negócios feitos na Irlanda, os lucros obtidos com negócios noutros países não são abrangidos. Cá para mim, cá Portugal devíamos era fazer o mesmo e oferecer as mesmas condições.

joao 19.12.2016

e continua o Copy past! este PAF de m e r d a que aqui escreve devia ir trabalhar para aprender a fazer algo

Anónimo 19.12.2016

Este comentário "copy paste" é o exemplo de como a direita fascista está perdida... tenham calma... o arco da governação alargou-se... Portugal avança e o governo governa para a classe média... aos os lacaios dos capitalistas só resta trabalharem mais ... Viva Portugal !

Anónimo 19.12.2016


Ladrões PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

pub
pub
pub
pub