Automóvel Bruxelas quer empresas europeias a trabalharem em conjunto na tecnologia de baterias

Bruxelas quer empresas europeias a trabalharem em conjunto na tecnologia de baterias

A Comissão Europeia quer que seja criado um consórcio de empresas europeias ao estilo da Airbus para actuar na área das tecnologias de baterias. Bruxelas está disponível para financiar a iniciativa em mais de 2 mil milhões de euros.
Bruxelas quer empresas europeias a trabalharem em conjunto na tecnologia de baterias
Reuters
Negócios 03 de outubro de 2017 às 16:13

Bruxelas quer acelerar o desenvolvimento da tecnologia de baterias na Europa. Para isso, quer que seja criado um consórcio de companhias europeias ao estilo da Airbus (que começou por ser uma iniciativa apoiada pelos governos da França, da Alemanha Ocidental e do Reino Unido com vista ao desenvolvimento de um avião concorrente com a indústria dos EUA) para actuar nesta área, de acordo com o Financial Times (FT).

Maros Sefcovic, o vice-presidente da Comissão Europeia com o pelouro da energia, vai realizar uma cimeira, a 11 de Outubro, como líder de grupos químicos, com construtoras automóveis europeias e produtores de baterias no sentido de promover a cooperação no sector. Para apoiar este plano, há um cheque de fundos europeus de 2,2 mil milhões de euros, segundo o FT.

O vice-presidente, em declarações ao jornal britânico, adiantou que é muito importante "não ter ‘momentos Kodak’ numa indústria tão importante", referindo-se à forma como aquela empresa de material fotográfico não conseguiu antecipar as grandes mudanças que aquela indústria ia enfrentar.

As empresas europeias poderão tentar recuperar o tempo perdido. As construtoras automóveis do Velho Continente têm estado a aumentar as suas projecções para a venda de carros eléctricos. Aliás, as estimativas do banco de investimento UBS, citadas pelo FT, indicam que a venda de automóveis eléctricos vai ultrapassar a venda de veículos a diesel. Contudo, o desenvolvimento de baterias não acompanhou estas previsões.

Nesta área, o mercado americano e asiático estão mais desenvolvidos e está em rápido crescimento. A China, o Japão e os Estados Unidos têm já fábricas para produzirem as células utilizadas nas baterias para os automóveis eléctricos. Mas a Europa não tem nenhuma fábrica. A Northvolt, criada por um dos antigos líderes da Tesla Peter Carlsson, e a germânica Terra E estão a planear construir uma fábrica de baterias mas a abertura da mesma não será antes de 2020, segundo a mesma fonte.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub