Energia Bruxelas rejeita hipótese de Donald Trump colocar um travão nas energias renováveis

Bruxelas rejeita hipótese de Donald Trump colocar um travão nas energias renováveis

Bruxelas considera que a aposta feita nos últimos anos nas renováveis nos Estados Unidos, por companhias norte-americanas e europeias, não vai sofrer um recuo com Trump na Casa Branca.
Bruxelas rejeita hipótese de Donald Trump colocar um travão nas energias renováveis
Reuters
André Cabrita-Mendes 10 de Novembro de 2016 às 18:35

A política energética de Donald Trump esteve em destaque durante a campanha presidencial. Vencidas as eleições, existe uma grande expectativa sobre o que vai o próximo presidente dos Estados Unidos fazer até 2019.

 

Olhando para o dossier de energia de Trump, Bruxelas afasta a probabilidade do novo presidente descartar as energias renováveis. "Ficaria surpreendido se esta aposta nas renováveis fosse travada, por causa dos benefícios que tem tido para os Estados Unidos", disse Dominique Ristori, director-geral de Energia da Comissão Europeia.

 

O responsável sustentou esta posição pelo "rápido desenvolvimento das renováveis nos Estados Unidos" nos últimos anos, "impulsionado por companhias americanas". Destacou também que há uma "forte parceria entre o sector público e privado" no desenvolvimento das renováveis, que tem também potenciado o surgimento de novas tecnologias nesta área.

 

As declarações tiveram lugar durante a cerimónia de entrega do Prémio REN, que teve lugar esta quinta-feira, 10 de Novembro.

 

O programa do republicano era claro neste aspecto: os Estados Unidos vão produzir mais petróleo, mais gás, mais carvão. Apesar de Trump não ter criticado as renováveis, existem agora muitas dúvidas sobre se a produção de energia verde vai continuar a crescer como nos últimos anos, devido à provável maior aposta nas energias fósseis para produzir electricidade.

 

Resta agora esperar para ver o que Donald Trump vai fazer, defendeu o responsável da Comissão Europeia. "Penso que é um pouco prematuro, para julgar o que será a política energética do presidente".

 

A portuguesa EDP Renováveis é uma das empresas que vai seguir  com atenção as políticas energéticas do presidente Donald Trump, pois os Estados Unidos são o seu maior mercado mundial.

 

 

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Sem duvida foi o ponto mais negro da campanha de Trump.Se levar por diante os outros mas tambem a familia que me parece ainda jovem tambem vao sofrer as consequencias dessa atitude.

pub