Empresas Buraco das herdeiras do BPN já supera 4,9 mil milhões

Buraco das herdeiras do BPN já supera 4,9 mil milhões

A Parvalorem, a Parups e a Parparticipadas registaram capitais próprios negativos de 4,9 mil milhões de euros no final do ano. Um agravamento de cerca de 250 milhões de euros face ao ano passado.
Buraco das herdeiras do BPN já supera 4,9 mil milhões
Bruno Simão
Diogo Cavaleiro 11 de agosto de 2017 às 13:09

O buraco das sociedades herdeiras do Banco Português de Negócios (BPN) está a caminho dos 5 mil milhões de euros. Os capitais próprios da Parvalorem, Parups e Parparticipadas ascendiam, no final do ano passado, a 4,9 mil milhões de euros negativos.

 

Os capitais próprios das sociedades veículo que ficaram com os activos do nacionalizado BPN agravaram-se em mais de 250 milhões de euros em 2016, graças aos resultados negativos que todas apresentaram.

 

Neste momento, mesmo alienando ou liquidando os activos de todas as empresas, ficaram por saldar responsabilidades de 4,9 mil milhões de euros, segundo cálculos do Negócios com base nos relatórios e contas das empresas, publicados esta semana. 

 

A Parvalorem, que ficou com os créditos tóxicos do BPN, é a que mais pesa neste desempenho negativo, já que tem um capital próprio de 3,85 mil milhões de euros. Segue-se a Parups, a sociedade que ficou com a gestão de unidades de participação em fundos de investimento imobiliário, com um passivo 932 milhões de euros superior ao activo. A Parparticipadas, detentora das participações em empresas e bancos, tem a situação patrimonial menos desequilibrada: capital próprio negativo de 144 milhões.

 

Ao todo, as três sociedades Par – que absorveram os activos e passivos que o BIC não quis adquirir em 2012 quando comprou o BPN – tinham um capital próprio de 4.928 milhões de euros no ano passado. Estas empresas têm tendência para ficar com uma situação patrimonial mais grave já que ficaram precisamente com os activos de pior desempenho do banco fundado por José Oliveira Costa. 

 

Os capitais próprios destes veículos de 4,9 mil milhões deverão representar encargos futuros para o Estado, excluindo os empréstimos que já foram reconhecidos (eram de 2,2 mil milhões de euros em 2015). Os encargos podem, contudo, ser distintos, já que os activos podem ser realizados a valores diferentes dos que estão reconhecidos contabilisticamente. 

 

Mesmo sem incluir os capitais próprios das sociedades, já há perdas registadas: o Tribunal de Contas contabilizava em 3,66 mil milhões de euros as perdas para o Estado com a nacionalização e reprivatização com o BPN até 2016.

 




A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas.

Anónimo Há 1 semana

Vá bandidagem dos direitos adquiridos, toca a pilhar e a roubar enquanto a troika anda ao largo e os vossos amigos da pandilha tomaram de assalto o poder. Não se inibam de nada.

O cavaquismo tem muitas contas a dar ao País Há 1 semana

Os donos da urbanização da coelha um morrei outro foi de mãos abanar para a Dinamarca,o cavaquismo tem contas a dar ao roubo dos terrenos aos dois cozinheiros da Dinamarca, a hipocrisia do cavaquismo serviu para tudo,estes foram depenados como depenaram o país,eles sabem do que falo.

Não há nenhuma aldeia que não aja um ladrão BPN. Há 1 semana

Mas o Passos diz que são empresários de possesso,pertencem todos aos roubos do diabo.ex.votante do PSD nunca mais mamam com meu voto.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub