Banca & Finanças Caixa deixa de ter sucursais "off-shore" e prepara saída de Londres

Caixa deixa de ter sucursais "off-shore" e prepara saída de Londres

A CGD continua os processos de venda das unidades na África do Sul, Espanha e Brasil. Numa "fase adiantada" está a saída de Londres. Até ao final do ano, acabam as sucursais "off-shore" em Caimão e Macau.
Caixa deixa de ter sucursais "off-shore" e prepara saída de Londres
Pedro Elias
Diogo Cavaleiro 28 de julho de 2017 às 18:43

A Caixa Geral de Depósitos deverá sair, até ao final do ano, das sucursais "off-shore" que tem em Caimão e em Macau. É um passo na redução da presença internacional do banco público português.

 

Segundo anunciou Paulo Macedo, na conferência de imprensa de apresentação de prejuízos de 50 milhões de euros no primeiro semestre, o encerramento destas sucursais implicou, já desde o início do ano, a não renovação ou não aceitação de novos depósitos.

 

Desde aí, já se registou um corte de 34% dos depósitos em Caimão, e uma redução de 25% na "off-shore" de Macau – além disso, a CGD tem o BNU, que continua em funcionamento e que é, aí, um emissor de moeda. A Caixa está a contactar os clientes para saber se eles estão interessados nas alternativas por si oferecidas.

 

O presidente executivo frisou que, com estas medidas, "a CGD deixará de ter sucursais ‘off-shore’".

 

Caixa sai de Londres

 

A sucursal em Londres também será encerrada. O processo está "numa fase adiantada". "Nos próximos meses, teremos passos decisivos", declarou Paulo Macedo, dizendo que um dos passos é a transferência da carteira de títulos para Portugal.

 

O banco vai manter presença na capital britânica apenas através de um escritório de representação.

 

Continuam, igualmente, a decorrer os processos de venda da actividade em África do Sul, Espanha e Brasil. O primeiro já está numa fase mais desenvolvida: "está bastante mais adiantado" que as restantes, que estão a ser iniciadas. No país africano, a venda encontra-se "no processo normal de contratação de ‘advisors’ e avaliadores".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub