Banca & Finanças Caixa emite dívida perpétua a partir do Luxemburgo

Caixa emite dívida perpétua a partir do Luxemburgo

A emissão de 500 milhões de dívida perpétua que a Caixa começa a promover na segunda-feira vai ser feita no Luxemburgo. A escolha desta praça deve-se ao facto de estar em causa dívida subordinada e a colocação ser destinada apenas a investidores institucionais.
Caixa emite dívida perpétua a partir do Luxemburgo
Miguel Baltazar/Negócios
Maria João Gago 16 de março de 2017 às 15:39

A Caixa Geral de Depósitos vai realizar a emissão de 500 milhões de euros de dívida perpétua a partir do Luxemburgo. A opção por esta praça deve-se ao facto de estar em causa uma emissão destinada apenas a investidores institucionais e de o mercado luxemburguês ter tradição na colocação de instrumentos aceites para o cálculo dos rácios de solidez adicional como acontece com a operação do banco liderado por Paulo Macedo, sabe o Negócios.

 

A administração da CGD vai começar a promover a emissão de dívida perpétua a partir da próxima segunda-feira, data em que deve ter início a promoção da operação junto de investidores, segundo avançou a Bloomberg esta quinta-feira. De acordo com a agência de notícias, o Barclays, o Caixa – Banco de Investimento, o Citi, o Deutsche Bank e o JPMorgan foram mandatados para organizar o roadshow com investidores a 20 de Março. De acordo com a Bloomberg, Paulo Macedo e o CFO José Brito vão participar no "roadshow" em Paris e Londres na próxima semana. 

 

O facto de as obrigações a emitir pela Caixa se destinarem exclusivamente a investidores institucionais foi uma das razões que levou a instituição a fazer a colocação a partir do Luxemburgo, bolsa onde os títulos poderão depois ser transaccionados e em que negoceiam a generalidade dos fundos de investimento, "hedge funds", fundos de pensões e seguradoras a que se destina esta emissão.

 

Também a experiência do Luxemburgo na emissão de títulos aceites para o cálculo dos rácios de solidez adicional, "aditional tier one" (AT1), ajudou a CGD a optar por esta praça que tem sido eleita por outras instituições para emitir este tipo de instrumentos.

 

Por outro lado, a Caixa já recorre ao mercado luxemburguês no âmbito do seu programa de emissão de dívida de médio prazo, tendo diversas emissões de obrigações com títulos admitidos à cotação no Luxemburgo

 

Segundo avançou a Bloomberg, os títulos têm um "trigger" de 5,125%: este é o rácio de capital "common equity tier one" que, no caso de vir a ser atingido pela CGD, implicará automaticamente perdas para os detentores destas obrigações perpétuas. Aquela percentagem não tem qualquer ligação à taxa de juro que o banco terá que suportar para colocar estas obrigações e que se admite que possa chegar a 10%.

 

A emissão, destinada a investidores institucionais, deverá estar concluída nas próximas semanas, em paralelo à injecção de 2.500 milhões de dinheiro fresco por parte do Estado, aprovada pela Comissão Europeia.

(Notícia actualizada às 15:47 com informação sobre o nível de solidez da CGD a partir do qual os detentores das obrigações perpétuas poderão ter perdas)



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Gatunos 17.03.2017

É perfeitamente legal, patriótico e higiénico METER UMA BALA NOS CORNOS dos EX E ATUAIS ADMINISTRADORES DA CGD que puseram o banco na BANCARROTA, e agora querem PARIR DIVIDAS PERPETUAS A ALTOS JUROS, para depois os portugueses PERPETUAMENTE SEREM ROUBADOS.
ISTO SÓ L VAI A TIRO POIS NÂO EXISTE JUSTIÇA EM PORTUGAL NEM UM DS GRANDES LADRÔES ESTÁ PRESO E CONDENANDO EM PORTUGAL.

comentários mais recentes
Manuel 17.03.2017

Tenho receio que a CGD continue a ser um "cancro" perpétuo na vida dos portugueses. Ainda com a agravante que não se sabe quem é o "salgado".

Gatunos 17.03.2017

É perfeitamente legal, patriótico e higiénico METER UMA BALA NOS CORNOS dos EX E ATUAIS ADMINISTRADORES DA CGD que puseram o banco na BANCARROTA, e agora querem PARIR DIVIDAS PERPETUAS A ALTOS JUROS, para depois os portugueses PERPETUAMENTE SEREM ROUBADOS.
ISTO SÓ L VAI A TIRO POIS NÂO EXISTE JUSTIÇA EM PORTUGAL NEM UM DS GRANDES LADRÔES ESTÁ PRESO E CONDENANDO EM PORTUGAL.

Jaime 17.03.2017

Então querem um banco público que tem dívidas brutais com credores externos??

Conselheiro de Trump 16.03.2017

So em ouvir a palavra "PERPETUA"ja me arrepio.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub