Banca & Finanças Caixa: Governo diz que não há documentos que dispensem declaração de rendimentos

Caixa: Governo diz que não há documentos que dispensem declaração de rendimentos

O Secretário de Estado do Tesouro afastou liminarmente a existência de algum acordo escrito que dispensasse administradores da Caixa de apresentar as suas declarações de rendimentos.
Caixa: Governo diz que não há documentos que dispensem declaração de rendimentos
Miguel Baltazar/Negócios
Negócios 19 de Novembro de 2016 às 16:57
O secretário de Estado Adjunto do Tesouro e Finanças rejeitou este sábado que exista algum documento onde o Governo se compromete perante os administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) a isentá-los da apresentação da declaração de rendimentos. 

Em declarações à TSF, Ricardo Mourinho Félix garante que "não existe nenhum documento escrito" que estabeleça as condições para a ida de António Domingues para a presidência da CGD. "Não assinei nenhum acordo, nenhum acordo aludia a essa questão [...] Este foi um entendimento que se baseou na confiança, pelo que não foi preciso nenhum acordo escrito", disse em entrevista à TSF. 

A existência deste documento tem vindo a ser avançada por vários órgãos de comunicação social, sendo reforçada neste sábado tanto pelo DN como pelo Expresso, que avançam que esse compromisso escrito tem a forma de um email. Na SIC Notícias, António Lobo Xavier também garantiu esta semana que esse documento existia.

Também o ministro das Finanças tem recusado confirmar a existência de um compromisso escrito com o presidente da Caixa. Tanto no Parlamento, como na conferência conjunta com o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, Mário Centeno recusou a existência de um acordo, embora sempre de uma forma evasiva. Questionado pelos jornalistas durante a conferência conjunta com o comissário europeu, Mário Centeno afirmou que "o compromisso do Governo é que a CGD se manterá um banco público, um banco capitalizado de maneira a desempenhar todo o papel no sistema financeiro, e um banco competitivo. Esse compromisso foi assumido de forma muito clara, é esse o único compromisso que temos". 






A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Desconfiado Há 1 semana

...esta história está muito mal contada. Se não existiu acordo porque a situação dos administradores não apresentarem as declarações? ...Alguém prometeu o que não podia garantir. A falta de coragem para esclarecer o assunto arrasta mais uma vez a CGD para o lodo...lamentável!

Anónimo Há 1 semana

O deficit MIMICO foi rapido a lancar a pedra muito lento a esconder a mao,mas nem por isso deixa de ter apaixonados pelo belo desempenho.Sempre plateia cheia quando teatra.Um aferroado de a 13 horas atraz agarra-se a 1 palav. mal escrita para defender 1 alegorico de financas,secalhar familiar.

Anónimo Há 1 semana

Oh Anónimo iletrado, se estes são "ALBRABÕES"" da "SALCICHARIA", como tu escreveste (mal), então porque não surgem as provas da aldrabice?

A novela CGD emana um fedor insuportável Há 1 semana

Dai uma forte biqueirada no Domingues e sua pandilha! Um estafermo a ganhar mais do dobro da governadora da FED no país mais rico do mundo! Nós num pequeno país, pobre, roubado e penhorado temos o Domingues a ganhar 430 mil euros ano e a não querer declarar, para meter mais a mão na gamela!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub