Banca & Finanças Caixa Montepio aprovou passagem a sociedade anónima e alteração de estatutos

Caixa Montepio aprovou passagem a sociedade anónima e alteração de estatutos

A assembleia-geral da Caixa Económica Montepio Geral aprovou esta terça-feira, por unanimidade, a transformação do banco em sociedade anónima e a alteração dos seus estatutos, disse à Lusa fonte oficial do Montepio.
Caixa Montepio aprovou passagem a sociedade anónima e alteração de estatutos
Bruno Simão/Negócios
Negócios com Lusa 13 de dezembro de 2016 às 21:24

"A assembleia-geral aprovou por unânimidade a passagem a sociedade anónima e a alteração dos estatutos, que serão agora enviados ao regulador", disse à agência Lusa fonte oficial da Caixa Económica Montepio Geral.

 

A assembleia-geral extraordinária de hoje concluiu assim os trabalhos que ficaram pendente da última reunião. Em Novembro foi realizada uma reunião magna sobre este tema, tendo então sido aprovada na globalidade a alteração de estatutos relativa à "aceitação da transformação imposta nos termos legais da Caixa Económica Montepio Geral, Caixa Económica Bancária, em sociedade anónima".

 

Contudo, os trabalhos não foram concluídos e ficaram suspensos até hoje para "serem reconsideradas algumas matérias em função de recomendações ou decisões que resultarem de comunicação dos supervisores", disse então a instituição em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

Actualmente, o banco mutualista é totalmente detido pela Associação Mutualista Montepio Geral e a alteração de estatutos é feita numa altura em que poderá ter de aumentar o capital para fazer face às novas exigências dos reguladores bancários, nomeadamente do Banco de Portugal.

 

Na segunda-feira, numa mensagem enviada aos clientes, o presidente do Grupo Montepio garantiu que a Associação Mutualista Montepio Geral continuará a ser proprietária do total do capital social da CEMG, apesar da transformação do banco mutualista em sociedade anónima.

 

A Caixa Económica Montepio Geral é a principal empresa do Grupo Montepio, tendo apresentado até setembro um prejuízo de 67,5 milhões de euros, um resultado que compara com perdas de 59,5 milhões de euros em igual período de 2015.

 

O banco está num processo de reorganização e redução de custos e, em Outubro, pediu ao Governo o estatuto de empresa em reestruturação, estando prevista uma nova diminuição de trabalhadores nos próximos meses, que poderá mesmo superar os 100.

Nesta sessão de hoje, deliberou-se também que o capital social no montante de 1.770.000.000,00 euros da sociedade resultante da transformação seja representado por 1.770.000.000 acções escriturais nominativas, com o valor nominal de um euro, todas averbadas em nome do Montepio Geral – Associação Mutualista

 

Definiu-se também "que se mantenha, até ao fim do primeiro trimestre de 2018, o Fundo de Participação tal como existe e se encontra previsto nos Estatutos, deliberando-se, então, a sua amortização ou a sua conversão em capital social nos termos e condições que oportunamente forem deliberados".



Esta terça-feira, 13 de Dezembro, a Caixa Económica Montepio Geral convocou, em comunicado à CMVM, uma nova Assembleia-geral, que fica agendada para 28 de Dezembro. Da ordem de trabalhos consta um único ponto: d eliberar sobre o Programa de Acção e Orçamento para 2017.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JL 14.12.2016

Só são precisos o,ooooooo1 % dos bancos em Portugal - Tu é que percebes disto, és cá uma cabeça ....

johnny 14.12.2016

99,99999999% dos bancos em Portugal não fazem falta nenhuma e não têm qualquer razão de existir
quanto mais depressa essa mrda toda desaparecer melhor para nós contribuintes

pub