Banca & Finanças Caixa vende bancos na África do Sul, Espanha e Brasil mas quer continuar nestes países

Caixa vende bancos na África do Sul, Espanha e Brasil mas quer continuar nestes países

Após a autorização do Governo, o banco público lançou os procedimentos para vender três filiais no estrangeiro. As condições de venda acautelam o serviço aos clientes, garante a CGD.
Caixa vende bancos na África do Sul, Espanha e Brasil mas quer continuar nestes países
Diogo Cavaleiro 21 de dezembro de 2017 às 19:47

Depois da autorização do Executivo, a Caixa Geral de Depósitos lançou o procedimento para a venda de três dos seus bancos: África do Sul, Espanha e Brasil. Contudo, a instituição financeira diz que quer manter a sua presença no país através de parcerias, segundo escreve em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

 

"A Caixa Geral de Depósitos informa que lançou o processo final de alienação das participações sociais detidas no capital social das sociedades Mercantile Bank Holdings Limited (sociedade de direito sul africano), Banco Caixa Geral (sociedade de direito espanhol), e Banco Caixa Geral - Brasil (sociedade de direito brasileiro), por via da transmissão da totalidade ou parte das acções representativas das participações sociais detidas pela CGD no capital social de cada uma das sociedades referidas, na modalidade de venda directa a um ou mais investidores", assinala o documento.

 

O processo formal é oficializado após a autorização dada pelo Conselho de Ministros esta quinta-feira, 21 de Dezembro, dado a Caixa Geral de Depósitos ser 100% pública. Um diploma que terá, ainda, de ser promulgado pelo Presidente da República.

 

Contudo, apesar de vender estes bancos que tem no estrangeiro, a instituição financeira estatal presidida por Paulo Macedo (na foto) indica, no comunicado, que não quer sair daqueles mercados: "Estas alienações não traduzem a saída da Caixa Geral de Depósitos destes mercados, continuando a CGD a manter a sua presença e até a aumentar a relação com as comunidades portuguesas aí residentes, quer através de parcerias e de relacionamentos operacionais, quer pelas diversas plataformas relacionais existentes, nomeadamente através do serviço Caixa Direta Online e o serviço telefónico existente".

 

Aliás, o banco público defende que "serão acauteladas nas condições de venda destas entidades" as garantias de continuação do apoio aos clientes e comunidades portuguesas. Em Espanha, a Caixa Geral de Depósitos vende a filial, o Banco Caixa Geral, mas continuará presente na sucursal, através da qual espera manter relacionamento com parte dos clientes. 

 

"A alienação destas participações, conforme referido aquando da aprovação do plano estratégico, contribuirá para o reforço dos capitais próprios do banco, um maior foco da sua actividade, e reduzindo desta forma a possibilidade de mais custos para os contribuintes", indica o comunicado.

 

Esta venda é uma obrigatoriedade assumida perante o Banco Central Europeu após a capitalização que envolveu 3,9 mil milhões de euros estatais. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub