Banca & Finanças CaixaBank abre portas a redução de 900 trabalhadores no BPI

CaixaBank abre portas a redução de 900 trabalhadores no BPI

Em Outubro, a OPA pressupunha o corte de mil postos de trabalho. Quatro meses depois, a oferta fala em 900. O CaixaBank garante que a reorganização dará "prioridade a reformas antecipadas e ‘lay-offs’ incentivados".
CaixaBank abre portas a redução de 900 trabalhadores no BPI
Paulo Duarte/Negócios
Diogo Cavaleiro 16 de janeiro de 2017 às 22:30

O corte de postos de trabalho no Banco BPI mencionado na oferta do CaixaBank é de 900 trabalhadores. É este o número que possibilita um rácio de gastos com pessoal no banco português idêntico aos pares.

 

"O rácio de gastos com pessoal por receitas da sociedade visada [BPI] em 2015 é de 44% enquanto o dos seus pares domésticos se situa num nível de 35%. O ajuste deste rácio de 44% da sociedade visada para os referidos 35% dos seus pares domésticos equivaleria a uma redução de 900 trabalhadores", indica o prospecto da OPA lançada pelo grupo catalão publicado esta segunda-feira, 16 de Janeiro.

 

Segundo o documento, revelado após o registo da operação pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, este corte de pessoal equivaleria a uma "poupança de aproximadamente 45 milhões de euros em gastos com pessoal", tendo como base o custo médio por trabalhador do BPI.

 

Os 900 trabalhadores correspondem a uma actualização dos mil funcionários que tinham sido já quantificados em Maio - e repetidos em Outubro -, quando a administração de Artur Santos Silva e Fernando Ulrich avaliou a oferta preliminar lançada em Abril e depois actualizada em Setembro. O banco contava com 5.757 funcionários na actividade doméstica em Setembro do ano passado. 

 

"A redução de despesas com pessoal resultante de quaisquer reestruturações laborais seria realizada pelo oferente [CaixaBank] em estrito cumprimento dos parâmetros sociais que têm vindo a ser observados pelo oferente em procedimentos similares (incluindo a reorganização interna do oferente em 2013), dando prioridade a reformas antecipadas e ‘lay-offs’ incentivados", continua o documento, repetindo o que já constava da consideração feita pela administração em Março passado.

 

As sinergias previstas pelo CaixaBank passam, sobretudo, pelo corte de custos. "Quanto às sinergias de custos, o oferente prevê actualmente que a implementação gradual poderá gerar até 84 milhões de euros anuais de poupanças no negócio da sociedade visada em Portugal, antes de impostos (-17% da base de custo recorrente doméstico da sociedade visada), esperando-se que atinjam o seu pico no ano de 2019: (i) aproximadamente 45 milhões de euros (-15% da base recorrente da sociedade visada), que derivariam da poupança de custos com pessoal. (ii) aproximadamente 39 milhões de euros (-20% da base recorrente da sociedade visada), que derivariam de redução de custos gerais".

 

Em termos de balcões, não parece ao CaixaBank que seja necessário mais cortes do que aqueles que estão a ser implementados ao ritmo actual. "A sociedade visada tem vindo a reduzir a sua rede de balcões em Portugal até aos actuais 545. Mais concretamente 52 balcões em 2015 e 52 adicionais até Setembro de 2016. A manter-se esta tendência em 2017, o oferente não prevê encerramento adicional de balcões".




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2017

È escusado gritar por socorro, mais 900 que vão ser fo..d..dos e como portugueses que somos, quer gritemos quer gememos, somos sempre enrabados a sangue frio por esta escumalha de banqueiros. O RESTO È TRETA com a tora entalada é que ficam. Votem nestes ABUTRES DA GERINGONÇA

Johnny 17.01.2017

Ó Mr.Tuga
neste mundo pós-capitalista, um assalariado e uma impressora são a mesma coisa, uma peça de equipamento no caminho do lucro faraónico dos seus donos.
Mas acredita que eu não votei "neles" o partido em que eu voto punha isto tudo em chamas para depois criar um mundo novo

Johnny 17.01.2017

99,9999% dos bancos não tem qualquer razão de existir
EU como contribuinte lesado dos bancos declaro MORTE AOS BANCOS !

Mr.Tuga 17.01.2017

Como é obvio vai sobrar para os mesmos de sempre: TRABALHADORES!

Esses escravos que dão o litro pela empresa e depois são dispensados como se uma "coisa" se tratasse!
Já a elite de crânios administradores e XEO´s recebem uns PÁRA-QUEDAS dourados, como o velhinho Domingues que foi para a CGD!

ver mais comentários
pub