Banca & Finanças CaixaBank absteve-se mas defende que maioria quis perda de controlo no BFA

CaixaBank absteve-se mas defende que maioria quis perda de controlo no BFA

"O resultado da votação reflecte inequivocamente um apoio maioritário por parte dos accionistas do BPI à proposta realizada pelo seu conselho de administração", indica o CaixaBank.
CaixaBank absteve-se mas defende que maioria quis perda de controlo no BFA
Reuters
Diogo Cavaleiro 13 de dezembro de 2016 às 18:05

O CaixaBank absteve-se na venda de 2% do Banco do Fomento Angola (BFA) à Unitel, apesar de esta ter sido uma contrapartida para o desblindagem dos estatutos do BPI, essencial para o sucesso da sua oferta pública de aquisição.

 

"O CaixaBank decidiu abster-se na votação realizada hoje na assembleia de accionistas do BPI que aprovou a venda de 2% do BFA à empresa Unitel, S.A. Com a abstenção, o CaixaBank não quis condicionar o resultado da votação com o seu voto decisivo e optou por aceitar a decisão que fosse adoptada pelos restantes accionistas do BPI que acorreram à assembleia-geral", indica em comunicado às redacções a instituição financeira espanhola.

 

A assembleia-geral aprovou a venda de 2% do BPI no BFA, onde passará agora a deter 48,1%, não exercendo o controlo. 84% do capital do banco liderado por Artur Santos Silva e Fernando Ulrich esteve presente no encontro, ainda que apenas 24% do capital presente tenha votado: o CaixaBank e o Santoro abstiveram-se. Dos votos expressos, 83,23% aprovou a transacção.

 

"O resultado da votação reflecte inequivocamente um apoio maioritário por parte dos accionistas do BPI à proposta realizada pelo seu conselho de administração", assinala ainda o CaixaBank.

 

A operação, sublinha o grupo catalão que tem 45,5% do BPI e que tem uma OPA a 1,134 euros por acção, "permitirá solucionar o incumprimento da concentração de grandes riscos do BPI logo que a venda dos 2% do BFA seja formalizada". O BPI está, desde o final de 2014, obrigado a reduzir a exposição a Angola e acredita que esta solução será aprovada pelo BCE. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub