Banca & Finanças CaixaBank coloca 1.000 milhões em obrigações de capital contingente para reforçar capital

CaixaBank coloca 1.000 milhões em obrigações de capital contingente para reforçar capital

O CaixaBank, que controla o português Banco BPI, colocou hoje 1.000 milhões de euros em participações preferenciais eventualmente convertíveis em acções, os chamados 'CoCos', para reforçar os seus níveis de capital.
CaixaBank coloca 1.000 milhões em obrigações de capital contingente para reforçar capital
Reuters
Lusa 01 de junho de 2017 às 20:35

Em comunicado enviado ao regulador do mercado espanhol, a CNMV, o banco catalão informou da sua primeira emissão de dívida deste tipo, obrigações de capital contingente ('Cocos') e destacou que a procura foi três vezes superior à oferta, em concreto de 3.300 milhões de euros.

 

O banco liderado por Gonzalo Gortázar (na foto) recordou, segundo a agência noticiosa Efe, que este tipo de dívida é perpétua mas que há a possibilidade de amortização anticipada por parte do emissor a partir do sétimo ano. Destacou ainda que esta emissão foi colocada à taxa de juro de 6,75%.

 

Em Portugal, desde que comprou a maior parte do BPI, o CaixaBank iniciou um processo visando a reestruturação do banco português, desde logo lançando o "plano de 100 dias", com vista a saber onde fazer mudanças na operação para cortar custos e aumentar receitas.

 

Na semana passada, a agência Lusa noticiou que a comissão executiva do BPI aprovou a reorganização interna do banco, com efeitos a partir de Junho.

 

Entre as alterações, é criada a unidade de banca corporativa e de investimento, que "integra os 25 principais grupos empresariais portugueses e as áreas de produtos de banca de investimento", bem como a banca de investimento fica obrigada a reporte direto a Espanha.

 

Desde Fevereiro que o BPI é controlado pelo grupo CaixaBank, que passou a deter mais de 80% do banco português, após uma Oferta Pública de Aquisição (OPA).


(Fotografia alterada dia 2 de Junho)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub