Banca & Finanças CaixaBank cumpre meta de capital mesmo com aceitação de 100% dos accionistas do BPI

CaixaBank cumpre meta de capital mesmo com aceitação de 100% dos accionistas do BPI

O CaixaBank pretende que o rácio que mede o seu melhor capital se situe entre 11 e 12%. O objectivo é conseguido com a OPA do CaixaBank.
CaixaBank cumpre meta de capital mesmo com aceitação de 100% dos accionistas do BPI
Reu
Diogo Cavaleiro 17 de janeiro de 2017 às 13:46

Mesmo que todos os accionistas do BPI aceitem os 1,134 euros pagos na oferta pública de aquisição, o CaixaBank consegue manter o seu rácio de capital dentro da meta estabelecida. Para isso, ajudou a venda de acções próprias realizada em Setembro.

 

"De acordo com os cálculos internos realizados pelo oferente [CaixaBank], o rácio de capital de nível 1 ordinário (CET1) ‘fully loaded’ do oferente é de 12,6% a 30 de Setembro de 2016 e, após a transacção e em função do grau de aceitação da oferta, situar-se-ia entre 11,2% e 11,8% a 30 de Setembro de 2016", revela o prospecto da OPA divulgado esta segunda-feira.

 

O plano estratégico do CaixaBank tem como objectivo que este rácio de capital se situe sempre entre 11% e 12%. O que se conseguirá mesmo com a aceitação de todos os accionistas do banco português.

Aliás, foi para que esta meta não fosse afectada que, em Outubro, quando ficou decidida a desblindagem dos estatutos do BPI e a OPA do CaixaBank passou a obrigatória, elevando o preço de 1,113 para 1,134 euros por acção, o grupo catalão vendeu 9,9% de acções próprias: o objectivo era financiar a OPA.

 

Assim, no prospecto, o CaixaBank refere que o financiamento da operação, que arrancou esta terça-feira, é "assegurado com recursos próprios do oferente". Aquela venda e colocação em investidores qualificados rendeu 1,3 mil milhões de euros. Caso haja aceitação de 100% dos accionistas do BPI, o grupo pode ter de gastar cerca de 900 milhões.

 

Foi a pressão do capital do CaixaBank que também impediu uma ofensiva mais intensa na corrida do BPI ao Novo Banco.





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 17.01.2017

Muito bem, era mesmo dessas explicações que nós precisávamos e estávamos à espera.

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub