Canadá recruta pelo menos 400 portugueses para a construção e paga dez vezes mais
14 Julho 2012, 14:00 por Lusa
Enviar por email
Reportar erro
O Canadá vai recrutar um mínimo de 400 trabalhadores portugueses da construção, oferecendo salários dez vezes superiores aos praticados no mercado de trabalho interno e condições que, em princípio, agradam ao Sindicato da Construção, disse hoje fonte sindical.
Em conferência de imprensa realizada no Porto, o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, adiantou que o sindicato vai colaborar na promoção de sessões de esclarecimento sobre estas ofertas de emprego, que serão realizadas entre 30 de Agosto e 14 de Setembro em seis regiões portuguesas. “Mas depois sairemos do processo e só reentraremos nele se houver algumas arbitrariedades ou ilegalidades”, explicou o dirigente sindical.

Um trabalhador da construção aufere em Portugal uma média de 3,14 euros à hora, o correspondente a 545 euros mensais, e os empregos no Canadá, área de Toronto, serão remunerados a 32 euros a hora, o equivalente a um salário mensal de 5500 euros, segundo as indicações recebidas pelo sindicato e agora reveladas.

As informações dadas ao sindicato pela consultora de imigração no Canadá Yolanda Simão referem que os trabalhadores serão contratados por dois anos e que, após os três primeiros meses de actividade, poderão levar as suas famílias, com garantia de alojamento.

O recrutamento “começa por centenas e vai chegar aos milhares, começa por Toronto e vai chegar a todo o Canadá”, disse o presidente do sindicato.

Albano Ribeiro garantiu que o gabinete jurídico do sindicato analisará os contratos de trabalho a propor aos interessados e, se detectar irregularidades, “não vai pactuar com isso”.

O sindicato pretende evitar, deste modo, o “sofrimento e o abuso” por que passaram milhares de trabalhadores portugueses no estrangeiro e que estiveram na origem de uma campanha no sentido de os candidatos à emigração se informarem prévia e devidamente acerca das ofertas de emprego a que aderem.

A este respeito, Albano Ribeiro reclamou para o seu sindicato o mérito de “ter evitado que as coisas fossem bem piores”.

Recusando que a postura do sindicato face às propostas de emprego no Canadá seja a de estimular a emigração - como a feita por “aquele senhor que nem quero falar nele” -, Albano Ribeiro admitiu que o quadro de emprego na construção agravou-se a ponto de muitos profissionais do sector estarem já no desemprego sem o respectivo subsídio e a contar com a ajuda do Banco Alimentar.

Segundo o Sindicato da Construção, estão desempregados em Portugal 22 por cento dos 700 mil trabalhadores do sector.

Enviar por email
Reportar erro
pesquisaPor tags:
alertasPor palavra-chave: