Energia Cancelamento de projecto em Angola penaliza resultados da BP

Cancelamento de projecto em Angola penaliza resultados da BP

A petrolífera viu os seus lucros descerem para 684 milhões de dólares no segundo trimestre, um valor que, ainda assim, supera as estimativas dos analistas.
Cancelamento de projecto em Angola penaliza resultados da BP
Bloomberg
Rita Faria 01 de agosto de 2017 às 07:59

Os lucros da BP caíram 5% no segundo trimestre deste ano, penalizados por custos associados a um projecto cancelado em Angola. Ainda assim, os resultados da petrolífera superaram as estimativas dos analistas.

 

De acordo com os números divulgados esta terça-feira, 1 de Agosto, a BP fechou o segundo trimestre deste ano com lucros de 684 milhões de dólares, uma descida face aos 1,5 mil milhões de dólares registados no primeiro trimestre e de 720 milhões no mesmo período do ano passado.

 

Em média, os analistas esperavam lucros de 500 milhões de dólares, de acordo com o FT, pelo que a empresa excedeu as projecções.

 

Os resultados foram penalizados por custos de 750 milhões de dólares relacionados com a decisão da BP, em Junho, de renunciar à sua participação de 50% num bloco de exploração em Angola, por este não ser comercialmente atractivo.

 

O grupo anunciou que vai manter o seu dividendo de 0,10 dólares por acção.

 

"Continuamos a posicionar a BP no novo ambiente de preços do petróleo, com um foco contínuo nos custos, eficiência e disciplina nos gastos de capital", afirmou o CEO Bob Dudley.

 

O responsável acrescentou que a empresa apresentou "um desempenho operacional forte" no primeiro semestre de 2017, sendo de esperar uma evolução positiva no próximo ano.

 

De acordo com a Administração de Informação de Energia dos Estados Unidos, o preço médio do Brent no segundo trimestre deste ano foi de 49,67 dólares por barril, mais 9,11% do que no mesmo período do ano passado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub