Aviação Caos na British Airways causado por erro de trabalhador externo

Caos na British Airways causado por erro de trabalhador externo

Na origem da falha informática que levou ao cancelamentos de voos no fim-de-semana passado terá estado um gesto inadvertido de um trabalhador externo à empresa que desligou o fornecimento de energia.
Caos na British Airways causado por erro de trabalhador externo
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 02 de junho de 2017 às 09:54
A situação que no fim-de-semana passado levou a companhia britânica a ter de cancelar centenas de voos a partir dos dois maiores aeroportos do Reino Unido teve origem num erro humano.

O esclarecimento chega uma semana depois de 75 mil passageiros da British Airways terem ficado privados de embarcar a horas nos seus voos: um trabalhador externo à empresa, que fazia trabalhos de manutenção no sistema informático da companhia, desligou inadvertidamente o fornecimento de energia ao sistema de reservas.

A notícia é avançada pelo jornal Times, que cita uma fonte da British Airways. Aparentemente, o sistema informático estava a funcionar sem problemas até que a interrupção de fornecimento de energia deixou os clientes sem poderem fazer o "check-in" e aceder aos "call centers", além de o "site" da companhia na internet ter ficado indisponível. 

Logo na altura em que se instalou o caos nos aeroportos, o CEO da British Airways tinha apontado para que uma falha de energia estivesse na origem do problema, afastando qualquer relação com os casos de ciberataques que tinham afectado mais de 150 países nas semanas anteriores.

A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Ainda bem que no RU existem mercados tendencialmente livres, abertos e concorrenciais, o que permitirá encontrar facilmente um prestador de serviços mais competitivo e adequado às necessidades, e ao mesmo tempo despedir prontamente o colaborador desnecessário se isso se justificar, de modo a que os mercados e a economia se vejam livres daquilo que não é do seu interesse segundo a missão, visão e propósito de cada agente económico que os constitui.

comentários mais recentes
cincoassim Há 3 semanas

O que ouvi, de fontes fidedignas, foi que este problema estava relacionado com outsourcing na India. Qual a razão ? Não sei.

Jorge Silva Há 3 semanas

Eu conheço outra historia desde terça ou quarta feira. O Basco que esta a frente da British Airways, despediu os 700 técnicos informáticos no RU e contratou uma empresa na India. Eles, apesar de serem ótimos programadores, são conhecidos pela desordem e confusão no trabalho...o barato, saí caro ;-)

Francisco António Há 3 semanas

Lembrei-me do caso da cegonha que "baralhou" o fornecimento da EDP !|

A culpa é do contabilista ;-) Há 3 semanas

A culpa é da British Airways que não tinha geradores para precaver uma falha de energia!
Qualquer Instituição Pública Portuguesa tem geradores de energia para sistemas cruciais como por exemplo para os servidores e estes 'super competentes' ingleses não tem?

ver mais comentários
pub