Agricultura e Pescas Capoulas Santos pede "severidade" para trabalho escravo na agricultura

Capoulas Santos pede "severidade" para trabalho escravo na agricultura

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, classificou de "repugnante" a existência de trabalho escravo na agricultura portuguesa e disse esperar que as autoridades competentes "actuem com toda a severidade".
Capoulas Santos pede "severidade" para trabalho escravo na agricultura
Miguel Baltazar
Lusa 18 de janeiro de 2017 às 22:36

"Quando o crime atinge os seres humanos naquilo que é a sua essência, como parece ser o caso, naturalmente é algo que nos repugna e espero que as autoridades competentes actuem com toda a severidade porque não é aceitável que seres humanos utilizem outros seres humanos apenas para obter lucros. Isso é completamente repugnante", afirmou o ministro.

 

Capoulas Santos, que falava à margem da apresentação do livro "O Vinho no Tempo da Guerra", reagiu desta forma a notícias hoje divulgadas sobre a existência de trabalho escravo em explorações agrícolas no Alentejo.

 

O presidente da Câmara Municipal da Vidigueira contou hoje terem sido detectados 80 imigrantes sazonais, que trabalham em explorações agrícolas nos concelhos de Moura e Ferreira do Alentejo, a viverem numa oficina, em Pedrogão do Alentejo, no concelho de Vidigueira, com uma única casa de banho, sem privacidade, a dormirem em camas constituídas por pequenos colchões por cima de paletes e à frente das quais tinham fogões para cozinharem.

 

"Vi hoje algumas notícias que me entristeceram profundamente", afirmou Capoulas Santos que disse esperar "que as autoridades a quem compete fiscalizar actuem, detectem e submetam às entidades judiciais aqueles que se vier a comprovar que foram responsáveis por actividades criminosas".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub