Agricultura e Pescas Capoulas Santos: Portugal deixou "agricultura medieval" e modernizou-se graças à PAC

Capoulas Santos: Portugal deixou "agricultura medieval" e modernizou-se graças à PAC

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, disse esta sexta-feira que Portugal passou de "uma agricultura medieval" para um sector que "compete com as superpotências agrícolas" graças à integração europeia e à Política Agrícola Comum (PAC).
Capoulas Santos: Portugal deixou "agricultura medieval" e modernizou-se graças à PAC
Miguel Baltazar
Lusa 09 de dezembro de 2016 às 19:08

"A nossa história de integração", na então Comunidade Económica Europeia (CEE) e hoje União Europeia, "é de grande sucesso", realçou aos jornalistas, em Évora, o ministro da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Florestas.

 

Segundo Capoulas Santos, Portugal passou de "uma agricultura medieval para uma agricultura que hoje compete, e compete bem, com as superpotências agrícolas". "Foi um enorme esforço de ajustamento estrutural que fizemos, teve custos, naturalmente, mas o saldo é globalmente muito positivo", argumentou.

 

O ministro da Agricultura falava aos jornalistas à margem da sessão de abertura do debate "Agricultura: 30 anos de Desafios e de Sucessos", que decorreu hoje em Évora.

 

Este foi o último encontro de um ciclo de 10 debates, para assinalar os 30 anos de integração de Portugal na União Europeia, organizado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, através da Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus, em colaboração com o Ministério da Agricultura.

 

Capoulas Santos referiu que a PAC "é a mais comunitária de todas as políticas" da União Europeia (UE), porque quando foi criada, na Europa do pós-guerra, "um dos problemas fundamentais era dar resposta à penúria alimentar", depois de o aparelho produtivo, "em particular o agrícola", ter ficado destruído. "Foi instituída uma política agrícola comum com o objectivo de resolver o problema alimentar da Europa" e, ao fim de "pouco anos", esta mesma política "revelou-se de grande sucesso".

 

Nos 30 anos de integração europeia de Portugal, afiançou o ministro, o caso da agricultura é "uma aposta muito bem-sucedida", apesar dos "grandes desafios para o futuro". "Agora, estamos numa Europa" que "evidencia alguns sinais de desagregação" e que vive "as indefinições do Brexit", o qual "não pode deixar de ter consequências", pois o Reino Unido "era um contribuinte líquido" para o orçamento comunitário, disse.

 

Depois de, no início, a PAC ter chegado a representar 80% do orçamento comunitário, hoje esta mesma política ainda tem peso elevado, porque representa 40%, ou seja, "quase metade do orçamento" da União Europeia.

 

"O modelo da PAC que teremos depois de 2020 e o orçamento que lhe está associado são os grandes desafios" futuros, numa Europa que, com os alargamentos sucessivos, "para o mesmo pequeno grupo de contribuintes, tem cada vez mais beneficiários", alertou.

 

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, também realçou que "a PAC foi uma política determinante no processo de criação da CEE" e que, apesar de hoje ter um peso menor no orçamento da UE, "não é mais reduzida a importância" desta política comum.

 

O ciclo "União Europeia - 30 anos, 10 debates" visou avaliar o que mudou no país nos últimos 30 anos e reflectir sobre o impacto que as políticas europeias têm tido na vida dos portugueses.

 

Além da agricultura, foram discutidos nos debates anteriores os temas da liberdade de circulação e segurança, a ciência urbana, as políticas de igualdade, a autonomia, águas e resíduos, política marítima, educação, turismo e globalização. 


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado matita42 09.12.2016

Essa foi a maior aposta que Cabvaco Silva tentou e não conseguiu. A agricultura era mesmo medieval, Pequena propriedade, agricultores cujo único meio de vida era cultivar essas "hortas", analfabetos e mal pagos. Ainda me lembro de os meus pa+is venderem muitas dezenas de milhares de quilos a 0,26 cêntimos cada 15 quilogramas de batata.. Cavaco tentou arrancar vinhas e outras plantas para fomentar a modernoização mas falhou porque os filhos desses agricultores, como eu, não aceitaram continuar nessa vida. O mesmo aconteceu nas pescas.

comentários mais recentes
Anónimo 10.12.2016

A agricultura do ponto de vista técnico, produtivo e agronómico é uma das melhores do mundo! Mas do ponto de vista da comercialização, qualidade dos gestores, bem como da organização dos mercados agrícolas, tanto em termos preços, concorrência e gestão do risco, Portugal está na pré-história!!!

matita42 09.12.2016

Essa foi a maior aposta que Cabvaco Silva tentou e não conseguiu. A agricultura era mesmo medieval, Pequena propriedade, agricultores cujo único meio de vida era cultivar essas "hortas", analfabetos e mal pagos. Ainda me lembro de os meus pa+is venderem muitas dezenas de milhares de quilos a 0,26 cêntimos cada 15 quilogramas de batata.. Cavaco tentou arrancar vinhas e outras plantas para fomentar a modernoização mas falhou porque os filhos desses agricultores, como eu, não aceitaram continuar nessa vida. O mesmo aconteceu nas pescas.

pub
pub
pub
pub