Concorrência & Regulação Carlos Costa aperta regras ao novo director de supervisão
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Carlos Costa aperta regras ao novo director de supervisão

Banco de Portugal impõe a Luís Costa Ferreira limitações na carreira futura. Novo director vai ter “acordo específico” de ética.
Carlos Costa aperta regras ao novo director de supervisão
Miguel Baltazar
Marta Moitinho Oliveira 17 de março de 2017 às 00:01

O Banco de Portugal (BdP) vai fazer um "acordo específico" com o novo director do departamento de supervisão da instituição para blindar o compromisso de Luís Costa Ferreira com as regras de ética e conduta da

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luís Há 1 semana

Regras é entrar sem concurso, por ser amigo da Elisa Ferreira? Ter saído após "supervisão" falhada ao BES, ir para a auditora do Novo Banco? Regressar a dirigir a supervisão que falhou?

Conselheiro de Trump Há 1 semana

Ja nao e burro de todo:aperta os outros para poder ele viver ja larga.Pensamento de olhos vendados.

Anónimo Há 1 semana

Oh "chouriço", compromissos de ética e de nojo profissional só podem ser assumidos entre patrão e empregado.
Bem, isso era no meu tempo e apesar de ser um reles assalariado. Pelo que tenho visto nos últimos temos acho que a elite está a confundir ética com polvo, máfia e quejandos.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub