Banca & Finanças Carlos Costa: Montepio "está estabilizado" e Lone Star poder ser "accionista forte para o Novo Banco"  

Carlos Costa: Montepio "está estabilizado" e Lone Star poder ser "accionista forte para o Novo Banco"  

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, disse em entrevista publicada hoje no jornal Público que o Montepio Geral "está estabilizado e tem uma administração profissional", defendendo maior partilha de informação num novo modelo de supervisão.
Carlos Costa: Montepio "está estabilizado" e Lone Star poder ser "accionista forte para o Novo Banco"  
Lusa 09 de março de 2017 às 07:51

"A Caixa Económica está estabilizada, está num processo de reformulação do modelo de governo, tem uma administração profissionalizada, está a dar passos sérios no sentido de se transformar num pilar financeiro do terceiro sector", disse na entrevista ao Público, acrescentando que o accionista não é supervisionado pelo BdP.

 

Questionado se não ficava preocupado com o facto de o único accionista do banco não ser supervisionado, na prática, por ninguém, o governador do BdP disse que a supervisão era feita pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e que acreditava que "a entidade que o supervisiona está consciente da necessidade de ser diligente e estar atenta à instituição".

 

A Associação Mutualista é o topo do Grupo Montepio, fazendo parte deste grupo a Caixa Económica Montepio Geral, o chamado banco mutualista.

 

Por imposição do Banco de Portugal, o Montepio alterou os estatutos em maio de 2015, o que levou a que, no verão, António Tomás Correia deixasse de acumular a presidência da Associação Mutualista e da Caixa Económica Montepio, ficando em exclusividade na Associação Mutualista. À frente do banco mutualista do grupo está desde então José Félix Morgado, ex-presidente da Inapa.

 

O mau desempenho do banco -- que em 2013 e 2014 acumulou prejuízos de quase 500 milhões de euros -- e a elevada exposição das aplicações da Associação Mutualista ao banco do grupo foram os principais motivos para as críticas.

 

"O que me preocupa não é que o accionista tenha problemas, é assegurar que o banco não está exposto ao accionista. Essa é que é a raiz do contágio. Se um accionista tiver dificuldades vende acções e a sua participação sem afectar o banco. Só afecta se ele também beneficiar do crédito. O crédito entre entidades relacionadas não pode ser aceite", disse.

 

Para Carlos Costa "é óptimo que toda a gente esteja muito atenta, porque estamos num estado preliminar -- que é a passagem à fase seguinte, que é tomar medidas no sentido de assegurar uma maior estabilidade".

 

"E acho que os passos vão nesse sentido: clarificação do modelo de governo, separação das entidades e separação do papel do accionista do de gestão da instituição financeira".

 

Considerando que "há motivos para aperfeiçoamento", o governador do BdP sugeriu, no âmbito do reforço de articulação entre supervisores, a criação de "um secretariado permanente para partilhar informação.

 

Na entrevista ao jornal Público, Carlos Costa defendeu, "em nome da independência", um mandato único de oito anos no BdP, em vez de dois mandatos.

 

"E defendo que o governador devia ser nomeado pelo Presidente, por indigitação do governo. E que o presidente do conselho de auditoria devia ser nomeado pela Assembleia da República -- o que significa que não excluo, em nada, o governo do processo", afirmou.

 

Carlos Costa destacou também que para reforçar a independência deveria haver uma "dupla legitimidade para o governador e para o conselho de auditoria".

 

Na entrevista, o governador escusou-se também a comentar a rejeição pelo Governo de nomes para a administração da entidade, considerando que os diálogos são à porta fechada

 

"E em que o princípio é: o governador apresenta uma proposta e o Governo aprova nomes. É natural que haja um diálogo intenso. Como em qualquer diálogo há.... pontos de vista", disse o governador, salientando que o diálogo vau chegar ao fim "quando as duas partes convergirem".

 

Carlos Costa escusou-se ainda a comentar a rejeição pelo Governo de nomes propostos pelo governador, apesar do estatuto de independência do Banco de Portugal.

 

No que diz respeito à venda do banco à Lone Star, o responsável considera que a entidade "pode ser um accionista forte para o Novo Banco".

 

Ainda sobre a venda do banco, Carlos Costa disse estar "confiante" de que vai avançar, considerando que seria bom para a estabilidade do sistema financeiro que a operação se concretizasse".

"Seria muito bom para a estabilidade do sistema financeiro que a operação se concretizasse", pois "não é possível manter um banco de transição indefinidamente", porque o Novo Banco "é um banco crítico para o financiamento de pequenas e médias empresas e porque seria uma pedra muito importante para a estabilização do sistema financeiro".

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Este fulano resolve as coisas à portuguesa, ou seja, mais ou menos. Não vai ao fulcro das questões, embarca no nacional-porreirismo - são todos ilustres, sérios, honrados e empenhados portugueses que estão nos cargos para servir o bem comum... Mas as coisas não são nada assim. Só ignorantes, irresponsáveis ou beneficiários da situação se poderão dar por satisfeitos. As organizações são seres vivos, dinâmicos, que se vão transformando ao longo do ciclo de vida, há interesses conflituantes, há pulsões pelo poder, há tentações para meter a mão, e isto amplia-se quando os "valores" / benefícios são elevados. O único mecanismo que previne e modera abusos é o EQUILÍBRIO DE PODERES em que a AG expressa os legítimos interesses dos acionistas. Na Caixa ou banco do Montepio há um desequilíbrio original, aliás semelhante ao que ocorre na CGD: a natureza difusa do acionista e a deficiente expressão dos seus interesses legítimos no equilíbrio de poderes que dirigem ou governam a entidade.

comentários mais recentes
J. SILVA Há 1 semana

É um paradoxo, este imbecil que não qualquer idoneidade, definir a idoneidade de outros. Defendeu o Jardim Gonçalves no processo das off shores do BCP de que foi um agente ativo. Na comissão parlamentar chegou a declarar-com júbilo- que já sabia que a separação BES/GES levaria ao colapso do GES.

Carlos Costa só quer o tacho e não larga! Há 1 semana

Não acreditem no Carlos Costa! Pq no caso do BES fornicou milhares de accionistas com a malfadada resolução, e ainda permitiu q o BES fizesse um aumento de capital em Maio de 2014 e este burro disse q já sabia dos problemas do BES desde 2103! Os accionistas deviam fazer-lhe a folha a este sacana!

estouapau Há 2 semanas

Carlos Costa: Montepio "está estabilizado" e Lone Star poder ser "accionista forte para o Novo Banco"

CUIDADO COM O QUE CARLOS COSTA DIZ!
LEMBRAM-SE DO BES?

JCG Há 2 semanas

O governador do BdP é um gestor de interesses de banqueiros e da nata dos bancários que usufrui de fartos privilégios e mordomias. A sua ação não tem nada a ver com a defesa dos interesses legítimos profundos do país. Isso é secundário. Apenas procura gerir as aparências e conservar o seu próprio acesso a teta farta. Já Pedro Arroja escrevia há 30 anos que a banca em Portugal era um cartel chefiado pelo BdP.
Quando o Sr Costa foi indicado para governador do BdP, o aplauso de banqueiros e gestores bancários foi generalizado. Isso para fim foi o suficiente para perceber quem tinha sido escolhido. É como ver um bando de delinquentes a aplaudir a escolha do chefe da polícia. C Costa e o BdP não atacaram nenhum dos problemas profundos dos bancos portugueses que geraram o descalabro dos mesmos, não foi à raíz, e, portanto, os mesmo problemas voltarão mais adiante. É como alguém pretender exterminar escalracho cortando apenas a parte externa da erva.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub