Media Carlos Magno lamenta discórdia para Conselho Geral da RTP

Carlos Magno lamenta discórdia para Conselho Geral da RTP

O presidente da ERC alerta que é "preciso libertar-nos de decisões erradas do passado" e "reconhecer que pessoas como o embaixador Seixas da Costa" deviam estar no CGI da RTP.
Carlos Magno lamenta discórdia para Conselho Geral da RTP
Paulo Duarte/Negócios
Sara Ribeiro 17 de setembro de 2017 às 21:15
O presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), Carlos Magno, lamenta "as dificuldades que uma leitura restritiva ou uma análise incoerente possam vir a introduzir na escolha de pessoas com óbvio perfil para o Conselho Geral Independente (CGI) da RTP". Na base das críticas está a falta de consenso do conselho regulador dos media sobre a indigitação do diplomata Seixas da Costa para integrar o CGI da estação pública.

As incompatibilidades elencadas nos estatutos da RTP, como escrever nos jornais ou ter programas de rádio e televisão, geraram discórdia entre os três elementos do conselho da ERC, que além de Carlos Magno integra Arons de Carvalho e Luísa Roseira, como noticiou a Lusa. Para o presidente do regulador, "a ser assim, ninguém com prática e actividade profissional nesta área estará em condições de vir a ser formalmente compatível", lê-se na declaração de voto de Carlos Magno anexada à deliberação da ERC sobre o tema.

Tal como a lei prevê, passados três anos do primeiro mandato, o CGI efectuou um sorteio para a saída de três dos seis membros. Os mandatos dos nomes sorteados - Ana Lourenço, Manuel Silva Pinto e Álvaro Dâmaso - terminam no final deste mês. Um dos nomes tem de ser escolhido pelo Governo, que indicou Seixas da Costa, o outro pelo Conselho de Opinião da RTP e o terceiro cooptado. Mantêm-se em funções António Feijó, presidente do CGI, Simonetta Luz Afonso e Diogo Lucena.

Agora, a ERC terá de reunir-se novamente para tentar chegar a uma posição unânime. "Como presidente da ERC sinto que é preciso libertar-nos de decisões erradas do passado e reconhecer que pessoas como João Lopes ou o embaixador Seixas da Costa deviam estar no Conselho Geral da RTP. Juntas. A garantir a diversidade, a liberdade de expressão e a igualdade de direitos entre cidadãos", apontou Carlos Magno. Em 2014, o nome de João Lopes, indicado pelo anterior Governo para o mesmo cargo, foi chumbado pela ERC por incompatibilidades semelhantes.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luisa Há 5 dias

Esta pressão sobre os seus colegas é uma vergonha. Este homem devia ser substituído. Já.

pub