Web Summit Carlos Moedas fala em "empurrão" de 1.000 milhões para start-ups

Carlos Moedas fala em "empurrão" de 1.000 milhões para start-ups

A Comissão Europeia lançou um fundo de investimento para apoiar o crescimento de empresas, no qual a verba pública deverá ser minoritária face à privada, devendo ultrapassar os mil milhões de euros, anunciou o comissário Carlos Moedas.
Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar Miguel Baltazar
Miguel Baltazar - Fotografia
Lusa 08 de Novembro de 2016 às 12:26

"É um novo fundo para empresas, que é um fundo para investir no crescimento das empresas na Europa. Hoje as empresas nascem na Europa, eu diria que é fácil criar empresas na Europa, mas depois começam a crescer e têm que ser vendidas muitas vezes a fundos norte-americanos ou outros porque nós não temos fundos de dimensão para investir nesse crescimento", disse aos jornalistas na Web Summit o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

 

A partir de hoje e até Janeiro, a Comissão Europeia vai procurar a entidade que vai gerir o "fundo de fundos" e ter capacidade para captar dinheiro privado.

 

"Temos que investir para que [as empresas] fiquem na Europa. A ideia aqui é ter um fundo de mais de mil milhões de euros, que possa ter a capacidade de investir em montantes mais elevados", afirmou Carlos Moedas, que constatou que os fundos de investimento europeus têm, em média, metade do volume financeiro dos norte-americanos.

 

De acordo com o enquadramento distribuído pela Comissão Europeia aos jornalistas, aquela entidade vai investir até 400 milhões de euros, num máximo de 25% do total, enquanto o restante será avançado pelos parceiros privados.

 

"Isto significa investimentos adicionais de capital de risco até 1,6 mil milhões de euros, o que é um empurrão significativo, uma vez que o total de fundos de capital de risco captados no ano passado na União Europeia foi cinco mil milhões de euros. O investimento da União Europeia combina recursos do InnovFin do programa Horizonte 2020, do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos e do programa COSME", pode ler-se no documento de enquadramento.

 

Os objectivos deste novo fundo passam por "aumentar a dimensão dos fundos de capital de risco na Europa", "aumentar o investimento privado em capital de risco" e "ultrapassar a fragmentação".

 

A Web Summit de Lisboa, que arrancou na segunda-feira, conta com mais de 53.000 participantes, de 166 países, incluindo 15.000 empresas, 7.000 presidentes executivos e 700 investidores.

 

Entre os oradores, estão os fundadores e presidentes executivos das maiores empresas de tecnologia, bem como importantes personalidades das áreas de desporto, moda e música.    




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
zeca69 08.11.2016

é só tret-ups!

pub
pub
pub
pub