Automóvel Carlos Ghosn pode liderar Mitsubishi

Carlos Ghosn pode liderar Mitsubishi

Conhecido pela sua estratégia de corte de custos, o presidente da Nissan e da Renault pode acumular uma terceira marca automóvel. Seria assim criado o quarto maior grupo automóvel mundial.
Carlos Ghosn pode liderar Mitsubishi
Wilson Ledo 19 de Outubro de 2016 às 10:05

O president da Nissan e da Renault, Carlos Ghosn, prepara-se para assumir funções na Mitsubishi. A notícia é avançada esta terça-feira, 19 de Outubro, pela agência Bloomberg, citando fontes ligadas ao processo.

A confirmar-se a informação, Ghosn será o primeiro executivo a liderar três diferentes fabricantes automóveis ao mesmo tempo. A Nissan adquiriu 34% e assumiu o controlo da Mitsubishi, depois de a marca ter admitido manipulação em testes de emissões poluentes.


A Mitsubishi prevê agora um prejuízo mais acentuado, o primeiro em oito anos, devido aos custos deste caso. A japonesa espera para o ano fiscal que terminará em Março um prejuízo de cerca de 240 mil milhões de ienes (cerca de dois mil milhões de euros).


Os analistas ouvidos pela Bloomberg acreditam que Carlos Ghosn terá a experiência necessária para dar a volta à Mitsubishi, assim como fez na Nissan através de uma redução de custos. Contudo, há quem também defenda que o executivo se devia concentrar nas actuais funções.


Uma aliança entre a Renault, a Nissan e a Mitsubishi criaria o quarto maior grupo automóvel mundial. O porta-voz da aliança Renault-Nissan classifica, à Bloomberg, a nomeação de Carlos Ghosn de "especulação".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub