Banca & Finanças Carros antigos de arguido do BPN rendem 18 milhões ao Estado

Carros antigos de arguido do BPN rendem 18 milhões ao Estado

São 74 Mercedes-Benz antigos. Foram leiloados em Londres no domingo e renderam 18 milhões de euros. O dono era Ricardo Oliveira, arguido no caso BPN. Mas foi o Estado que ficou com o dinheiro para pagar uma dívida de 32,35 milhões. O arresto inclui ainda todos os bens do empresário em território português.
Carros antigos de arguido do BPN rendem 18 milhões ao Estado
Correio da Manhã
Maria João Gago 10 de setembro de 2013 às 08:56

O Estado, através da Parvalorem, arrestou o dinheiro da venda dos 74 automóveis antigos, da marca Mercedes-Benz, que o empresário da área imobiliária que é arguido no caso BPN leiloou no domingo, em Londres, noticia o “Correio da Manhã”.

 

O arresto foi decidido pelo Tribunal de Instrução Criminal que aceitou uma providência cautelar da Parvalorem, que assim conseguiu recuperar 18 milhões de euros, adianta uma nota da sociedade que ficou a gerir o crédito malparado que era do Banco Português de Negócios (BPN), enviada esta terça-feira à comunicação social.

 

“Atendendo ao justo receio da perda de garantia patrimonial, veio a PARVALOREM a apresentar uma nova acção de arresto preventivo nos tribunais ingleses sobre o produto da venda apurado no leilão e sobre as viaturas automóveis que não viessem a ser licitadas”, refere a nota daquela sociedade.

 

Além de ter garantido que o Estado fica com os 18 milhões da venda da Ultimate Mercedes-Benz Collecction”, a decisão dos tribunais portugueses garantiu ainda o “arresto preventivo sobre todos os bens detidos por Ricardo Oliveira em território português”, a favor da Parvalorem.

 

A gestora do crédito malparado do BPN decidiu avançar com os pedidos de arresto uma vez que tem em curso um pedido de indemnização contra dois antigos gestores do banco, José Oliveira Costa e Francisco Sanches, e contra Ricardo Oliveira, no valor de 32,35 milhões de euros, devido à falta de pagamento de “de um conjunto de operações e financiamentos concedidos a Ricardo Oliveira e ou sociedades por si detidas” e que continuam por pagar, adianta a Parvalorem.

 

Na mesma nota, a sociedade garante que “continuará neste e em todos os  casos a utilizar todos os meios legais nacionais e se for caso disso internacionais ao seu dispor, de forma a que os seus interesses e simultaneamente os interesses do Estado Português sejam integralmente defendidos. 




A sua opinião54
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Luis 10.09.2013

hahahahahahaha grande eufemismo os bens do "empresário" Se fosse um desgraçado era larápio, no mínimo. É mai empresário dos que os 40 amigos do Ali Babá.

comentários mais recentes
Luke 12.09.2013

Há duas semanas atrás foi noticiado queas viaturas que este "senhor" pretendia leiloar em Inglaterra valeriam entre 50 e 60 milhões de euros sendo que, só uma das viaturas a leilão, valeria 30 milhões de euros.

Agora, com esta notícia, o que sou levado em crer é que ou as viaturas foram vendidas por um valor muito abaixo do seu preço de mercado ou então houve aqui uma 'jogada' e este 'senhor' ainda vai meter ao bolso umas boas dezenas de milhões de euros.

Acho que é caso de polícia e urge investigar porque são dinheiros públicos que estão em jogo.

Anónimo 11.09.2013

E OS OUTROS LARÁPIOS NÃO CONFISCAM OS BENS?

Anónimo 11.09.2013

Pôr os carros num museu e cobrar entradas, tiravam daí mais lucros do que os terem levado para as mãos de outro país. Enfim, Portugal no seu melhor...

José Luís Kendall 11.09.2013

A confiscação de todo o material roubado e dos vários milhoes agasalhados pelas dezenas de personagens ligadas ao escândalo BPN deveria ser aplicada a todos os autarcas e politicos corruptos que amealharam verdadeiras fortunas nas ultimas decadas! O exemplo deveria comecar por aquele que mais terá roubado, José Sócrates, que tal como os outros deveria estar preso.

ver mais comentários