Agricultura e Pescas Casa Anadia envia azeite para a Coreia do Sul

Casa Anadia envia azeite para a Coreia do Sul

A produtora de Abrantes conseguiu a primeira encomenda de quatro mil garrafas para aquele mercado asiático. O acordo com o importador prevê o aumento da exportação em 2017.
Casa Anadia envia azeite para a Coreia do Sul
Miguel Baltazar
António Larguesa 21 de Novembro de 2016 às 13:26

A viagem exploratória à Coreia do Sul, a presença há dois anos no mercado vizinho do Japão e "algum reconhecimento do prestígio da marca na Ásia" resultaram na primeira encomenda de azeites da Casa Anadia para o mercado sul-coreano, num total de quatro mil garrafas.

 

Segundo anunciou esta segunda-feira, 21 de Novembro, esta marca que produz azeite desde o século XVII na Quinta do Bom Sucesso, em Alferrarede (Abrantes), o acordo com o importador da Coreia do Sul prevê "chegar às dez mil garrafas já no próximo ano".

 

Sem detalhar valores, o director comercial e de marketing destacou que esta encomenda inaugural, que seguirá por via marítima e aérea, é "um passo importante" para a Polistock, que tem sede no Gavião, distrito de Portalegre, que também produz vinhos do Dão numa propriedade em Mangualde. David Magarreiro frisou que "apesar de procurar qualidade, [este] é um país longínquo e de difícil acesso".

 

Em 2012, numa altura em que exportava apenas para o Brasil, Holanda e Suécia, a Casa Anadia iniciou um projecto de internacionalização, com apoio de fundos comunitários, para ampliar o número de mercados de destino. Previa acções de promoção e marketing internacional, visando o Norte da Europa, China, Brasil, Estados Unidos e Canadá.

 

A produção de azeite na campanha 2015/2016 ascendeu a 109.052 toneladas, um aumento de quase 80% relativamente à campanha anterior e que representou a terceira maior produção no último século, de acordo com as estatísticas do INE recolhidas pela Casa do Azeite e divulgadas em Julho.

 

Já o consumo sofreu um decréscimo de 1,6% em volume, rondando os sete quilos per capita, embora tenha aumentado 18% em valor. A empresa de estudos de mercado AC Nielsen calculou que o preço médio de venda ao consumidor final em 2015 foi de 3,93 euros/kg, ou seja, mais de 20% acima do preço médio praticado no ano anterior.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub