Imobiliário Casas compradas a crédito em máximos de 2011

Casas compradas a crédito em máximos de 2011

Do total de compras de habitações efectuadas entre Janeiro e Março, 41,4% foram concretizadas com recurso a financiamento.
Casas compradas a crédito em máximos de 2011
A recuperação do imobiliário continua sem travão. Nunca foram vendidas tantas casas em Portugal, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Mais de metade destas operações são realizadas a pronto. Contudo, este ano, o número de transacções efectuadas com recurso ao crédito aumentou e atingiu a percentagem mais elevada em quase seis anos.

Foram vendidos, nos primeiros três meses deste ano, 35.178 imóveis, anunciou o INE, esta sexta-feira. Estas operações totalizaram 4,31 mil milhões de euros, o valor mais elevado desde que o instituto começou a publicar estes dados, em 2009. Ora, no mesmo período, o valor das novas operações de crédito à habitação ascendeu a 1,79 mil milhões de euros, segundo os dados do Banco de Portugal. Isto significa que, do total de compras efectuadas entre Janeiro e Março, 41,4% foram concretizadas com recurso a financiamento. Trata-se da percentagem mais elevada desde o terceiro trimestre de 2011, ano marcado pela chegada da troika.

Pelo contrário, 58,6% das compras foram efectuadas a pronto. Nos últimos anos, a percentagem de imóveis comprados a pronto chegou a superar os 70% devido à postura dos bancos que fecharam a "torneira" do crédito.

O grande motor destas transacções continua a ser a Área Metropolitana de Lisboa que, sozinha, é responsável por metade do valor de todos os imóveis vendidos. As compras de casas nesta região ascenderam a 2,09 mil milhões de euros.

Por tipo de casas vendidas, a grande maioria são usadas. Quase 84% dos imóveis transaccionados eram já existentes. Trata-se também da percentagem mais elevada desde que o INE começou a recolher estes dados. Apenas 16% das casas vendidas são novas, uma percentagem que tem vindo a diminuir nos últimos anos.

Este maior dinamismo das casas em segunda-mão é também evidente na comparação com o ano anterior. O número de imóveis já existentes vendidos aumentou 23,2% face ao período homólogo, para um recorde de 29.511 habitações. As vendas de casas novas subiram 2,9% para máximos desde o quarto trimestre de 2015 (5.667 casas).

Preços das casas com subida recorde
Quanto aos preços, estes aumentaram 7,9%, no primeiro trimestre. Este crescimento no Índice de Preços da Habitação compara com o aumento homólogo de 7,6% registado nos dois trimestres anteriores, já marcados por um forte aumento dos preços. Na comparação com o último trimestre de 2016, os preços aumentaram 2,1%, sendo já o oitavo trimestre consecutivo de aumentos em cadeia nos preços. Nas habitações já existentes, o aumento de preços foi de 9,2% (igual ao do trimestre anterior), enquanto nas casas novas a subida foi de 4,2%, a mais elevada desde o primeiro trimestre de 2016.

"A aceleração dos preços no primeiro trimestre de 2017 foi inteiramente devida ao mercado dos alojamentos existentes (2,5% face a 1,2% no quarto trimestre de 2016), visto que o aumento de 0,8% dos preços dos alojamentos novos foi inferior em 0,2 pontos percentuais ao observado no trimestre transacto", diz o INE. 



A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 16 horas

Portugal pós-reformista, de reformas abortadas ou em processo de desmantelamento em curso, está a viver uma época de superlativos. Se uns são salutares, outros nem por isso o serão. Maior crescimento anual do PIB deste século numa conjuntura de crescimento em todo o mundo, mais elevada taxa de convergência com a média das economias da Eurozona numa altura em que aquela se alargou para a Europa de Leste, maior folha salarial e de pensões de sempre no sector público e privado, mais acentuado corte no investimento público desde 1960, mais elevada dívida pública e privada de que há memória... O estouro vai ser enorme.

comentários mais recentes
Anónimo Há 11 horas

Ze nabo, tu, a tua mãe e a tua avó fartaram-se de dar o traseiro. 32 casas é obra.

75 % DELAS FOI O BCP que EMPRESTOU o $$$$ Há 13 horas

O MILENIUM BCP É SEMPRE A ABRIR AMANHÃ TEM DE IR BUSCAR MAIS 3 MIL MILHÕES PARA EMPRESTAR NÃO Á MÃOS A MEDIR EM MEIO ANO E O BCP já vai com 750 milhões de lucros e a cotação ESTRANHA E MANIPULADAMENTE vai descendo

Ze nabo Há 14 horas

Eu só sou simples nabo! Nao gostas temos pena, quando nao saímos donde estamos e vemos o outros a subir na vida até espumas... Estou na A1 a regressar de férias no Algarve, estou em alcanena, mas se kiseres passo nas Caldas para te comprar uma recordação, e nao tenho de vender nenhum imóvel e sao 32

luis Há 15 horas

Ja votei na deireita agora abomino esses 2 partidos. venderam as boas empresas portuguesas as comunistas chineses, desregularam a pt para agora ser uma sucursal de uma empresa francesa, provocaram emigração em massa faltando agora profissionais em muitas areas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub