Turismo & Lazer Casinos de Macau facturam mais 29,2% em Julho

Casinos de Macau facturam mais 29,2% em Julho

Os casinos de Macau fecharam o mês de Julho com receitas de 22.964 milhões de patacas (2.412 milhões de euros), um aumento de 29,2% relativamente ao período homólogo do ano passado, foi hoje anunciado.
Casinos de Macau facturam mais 29,2% em Julho
Bloomberg
Lusa 01 de agosto de 2017 às 07:35
Segundo dados publicados pela Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ), os casinos registaram no acumulado de Janeiro a Julho receitas de 149.340 milhões de patacas (15.687 milhões de euros), mais 18,9% em relação aos primeiros sete meses do ano passado.

Julho marcou o 12.º mês consecutivo de subida das receitas da indústria do jogo, principal pilar da economia da Região Administrativa Especial de Macau.

Este mês registou o maior aumento anual em termos percentuais desde o início da recuperação das receitas dos casinos, ou seja, desde que Agosto do ano passado pôs termo a um ciclo de 26 meses de consecutivos de quedas anuais homólogas.

Em 2017, as receitas mensais do jogo cresceram sempre a dois dígitos em termos homólogos, à excepção do primeiro mês do ano (+3,1%), mas acima dos 20% só em maio (+23,7%), Junho (+25,9%) e agora Julho (+29,2%).

Julho teve ainda o segundo melhor desempenho em termos de receita bruta, apenas ultrapassado por Fevereiro (22.991 milhões de patacas ou 2.415 milhões de euros ao câmbio actual), mês habitualmente forte devido ao período do Ano Novo Chinês.

Apesar da recuperação da indústria, iniciada no passado verão, as receitas dos casinos de Macau caíram pelo terceiro ano consecutivo em 2016, registando uma queda de 3,3% que se seguiu a uma descida de 34,3% em 2015 e de 2,6% em 2014.

Arrastada pelo desempenho do sector do jogo, a economia de Macau contraiu-se em 2016 pelo terceiro ano consecutivo e o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 2,1% em termos reais, com a recuperação da indústria a ser insuficiente para permitir uma retoma.

Este resultado representou uma significativa melhoria depois da diminuição de 21,5% em 2015.

Em 2014, o PIB de Macau caiu 1,2%, em termos reais, segundo dados revistos, naquela que foi a primeira queda desde a transferência do exercício de soberania de Portugal para a China em 1999, impulsionada pelo início da curva descendente das receitas dos casinos.

Em linha com o desempenho do jogo, a economia de Macau tem vindo a demonstrar sinais de recuperação. De acordo com estimativas oficiais, divulgadas no final de maio, o PIB de Macau cresceu 10,3% em termos reais no primeiro trimestre do ano.

Em Fevereiro, o Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu a previsão de crescimento da economia de Macau para este ano de 0,2% para 2,8%. A agência de notação financeira Moody's manteve, em maio, o 'rating' de Macau em Aa3, e alterou a perspectiva sobre a economia de "negativa" para "estável", por considerar que as "almofadas" financeiras são suficientes para atenuar choques económicos.

Macau, que figura como a capital mundial do jogo, é o único local na China onde o jogo em casino é legal.

No final de março, contava com 6.423 mesas e 16.018 'slot machines', distribuídas por 39 espaços de jogo.

Fortemente dependente dos casinos, a Região Administrativa Especial chinesa ambiciona há muito diversificar o tecido económico.

Um dos objectivos é a diversificação da indústria do jogo, do segmento VIP para o mercado de massas, para a tornar menos dependente dos grandes apostadores.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar