Banca & Finanças Caso BPN: Oliveira Costa condenado a 14 anos de prisão

Caso BPN: Oliveira Costa condenado a 14 anos de prisão

José de Oliveira Costa foi condenado a 14 anos de prisão. Três outros antigos responsáveis do BPN têm penas efectivas de prisão. Os oito arguidos com penas mais levas podem optar por pagar indemnizações ao Estado.
A carregar o vídeo ...
Negócios 24 de maio de 2017 às 19:06
José de Oliveira Costa foi condenado a 14 anos de prisão pelos crimes de falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada, burla qualificada e branqueamento de capitais, anunciou esta quarta-feira, 24 de Maio, o juíz responsável pelo processo principal do caso BPN. Dos 15 arguidos, foram condenados 12. As penas mais leves ascendem a cinco anos de prisão.

As penas mais pesadas foram destinadas ao antigo presidente do BPN e a outros três antigos responsáveis do banco que, segundo o juiz, faziam parte da cúpula dirigente e cuja actuação tem, por essa razão, "especial gravidade". Em causa estão Luís Caprichoso, condenado a oito anos e meio de prisão, Francisco Sanches, com uma pena de seis anos e nove meses de cadeia e José Vaz Mascarenhas sentenciado com uma pena de prisão de sete anos e três meses.

Luís Caprichoso, ex-gestor do BPN evisto pelo Ministério Público como o número dois do grupo SLN/BPN, foi condenado pela prática de um crime de falsificação de documentos e outro de burla qualificada, refere a Lusa. José Vaz Mascarenhas, ex-presidente do Banco Insular, foi condenado pelos crimes de falsificação de documentos, abuso de confiança e burla qualificada. Já Francisco Sanches, ex-gestor do BPN, foi condenado pelos crimes de falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada e burla qualificada.

Oito condenados podem escapar à cadeia

Estes são os únicos quatro arguidos condenados a prisão efectiva. Os restantes oito condenados poderão substituir o encarceramento por indemnizações a pagar ao Estado, fixadas em função da situação económica dos arguidos.

 

Foi este o caso de Leonel Mateus, condenado a três anos de prisão, com pena suspensa perante o pagamento de 30 mil euros; Luís Almeida, quatro anos e três meses ou pagamento de 45 mil euros; Isabel Cardoso, quatro anos e quatro meses de cadeia ou indemnização de 25 mil euros; Telmo Reis, cinco anos de prisão ou pagamento de 50 mil euros; José Monteverde, quatro anos de cadeia ou indemnização de 10 mil euros; Luís Alves, dois anos de prisão ou pagamento de 25 mil euros; António Franco, três anos de cadeia ou indemnização de 10 mil euros e Rui Dias Costa, quatro anos de prisão ou indemnização de 30 mil euros.


"Esta foi a maior burla da história da Justiça portuguesa julgada até ao momento", destacou o juiz Luis Ribeiro, que preside o colectivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN, que durou mais de seis anos, citado pela Lusa.

"Há que fazer uma distinção entre a conduta destes arguidos e dos outros, cujos crimes são muito mais graves", realçou o juiz presidente, referindo-se a José Oliveira Costa, José Caprichoso, José Vaz Mascarenhas e Francisco Sanches, condenados a penas de prisão efectivas.

 

O colectivo de juízes do processo principal do caso BPN decidiu ainda absolver os arguidos Ricardo Oliveira (empresário do ramo imobiliário), Filipe Baião Nascimento (advogado) e Hernâni Ferreira (Labicer e FO Imobiliária) dos crimes de que eram acusados pelo Ministério Público.

 

De resto, o próprio Ministério Público já tinha deixado cair a acusação de burla qualificada contra Hernâni Silva em Junho de 2016 por falta de provas. E as acusações contra a empresa de cerâmica Labicer foram extintas devido à sua liquidação.

 

O julgamento deste processo-crime, o principal do caso BPN, arrancou em 15 de Dezembro de 2010 e contava inicialmente com 16 arguidos.

 

(Notícia actualizada às 20:10 com mais informação)




A sua opinião52
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 24.05.2017

E o Dias Loureiro, não era vice-presidente? Como é que esse tipo enriqueceu?

comentários mais recentes
Anónimo 26.05.2017

isto se fosse la para arabias esta gente ja nao tinha pescoço a muito tempo mas como vivemos em um pais de latinos e o que o crime compensa estes marginais e o povo e que paga alias paises latinos e tudo ladrao basta ver as americanas latinas tudo pobre pk e tudo ladrao no governo aqui e igual

Anónimo 25.05.2017

COMO A JUSTIÇA PORTUGUESA É RÁPIDA.................. O MADOFF FOI JULGADO EM TRÊS MESES E APANHOU 150 ANOS DE CADEIA. NÃO SEI SE RECORREU DA SENTENÇA, O CERTO É QUE CONTINUA PRESO. AQUI FORAM PRECISOS 7 ANOS PARA O JULGAR . BELO TRABALHO..............................

Anónimo 25.05.2017

E ANDAM OS PORTUGUESES A PAGAR QUASE 7 OOO OOO OOO DE EUROS POR CAUSA DESTE BANDIDO?
DE RECURSO EM RECURSO NUNCA VAI CHEGAR A CUMPRIR PENA. LEMBRAM -SE DE QUANDO ESTA PRENDA FOI SECRETÁRIO DE ESTADO DAS FINANÇAS E PERDOOU 500 000 CONTOS À CERÂMICA CAMPOS ? DEVIA APODRECER NA PRISÃO.

Oliveira e Costa foi a marioneta que 25.05.2017

alguns manipularam a seu bel prazer, e que apenas serviu para ser o caixa de partidos e de gente a eles ligado. As malas do dinheiro estavam prontas e ao serviço de suas majestades para os mais variados negócios particulares.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub