Transportes Catarina Martins quer "investimento fortíssimo" na Carris e rejeita privatização no futuro

Catarina Martins quer "investimento fortíssimo" na Carris e rejeita privatização no futuro

O candidato do BE à Câmara Municipal de Lisboa, Ricardo Robles, defendeu hoje que deve ser feito "um investimento fortíssimo" em recursos humanos e equipamento na Carris, e afastou que possa regressar "o fantasma da privatização da empresa".
Catarina Martins quer "investimento fortíssimo" na Carris e rejeita privatização no futuro
Miguel Baltazar
Lusa 22 de agosto de 2017 às 13:25

No final de uma visita ao Museu da Carris, em que esteve acompanhado pela coordenadora do BE, Catarina Martins, Ricardo Robles salientou que o partido se preocupa muito com "o presente e o futuro" desta empresa de transportes.

 

"O que assistimos nos últimos anos foi a um ataque feroz de desmantelamento deste serviço público de transportes de Lisboa, é preciso contrariar isso e fazer um investimento fortíssimo para recuperar", defendeu, pedindo que esse investimento seja feito quer em equipamento quer em recursos humanos.

 

Durante a visita, Robles e Catarina Martins tiveram oportunidade de ouvir as preocupações da Comissão de Trabalhadores da Carris, que lhes transmitiu que saíram da empresa "centenas de trabalhadores nos últimos anos" e preocupações com a idade média da frota, nomeadamente nos autocarros, que ronda os 12 anos.

 

Para o candidato bloquista, a municipalização da Carris tem de ficar assegurada também para o futuro e "não pode voltar o fantasma de uma privatização".

 

Em 09 de agosto, o Presidente da República vetou o diploma que introduzia alterações ao decreto sobre a transferência da Carris para a Câmara de Lisboa, considerando abusivo que se proíba qualquer concessão futura da empresa.

 

Nessa ocasião, o PS afirmou que, na reabertura dos trabalhos parlamentares, "será encontrada uma solução equilibrada", que incorpore as preocupações suscitadas pelo chefe de Estado sobre a proibição da concessão futura da Carris por parte da Câmara de Lisboa.

 

Já o primeiro-ministro, António Costa, na entrevista publicada pelo Expresso este fim de semana considerou que Marcelo Rebelo de Sousa entendeu que, "no respeito pela autonomia do poder local, essa matéria deve ser deixada ao cuidado do poder local".

 

"E eu, como descentralizador fervoroso, não me choca nada a posição do PR", afirmou António Costa.

 

Questionado se teme que a lei não venha a ser confirmada pelo parlamento (se assim acontecesse por maioria absoluta, o chefe de Estado seria obrigado a promulgá-la), Ricardo Robles respondeu que o BE irá manter a sua posição.

 

"Já ouvimos as declarações do primeiro-ministro e do presidente da Câmara, disseram que estão disponíveis para alterar o diploma. O BE será coerente com a posição anterior - uma das condições fundamentais é que a Carris permaneça no serviço público e não possa voltar a hipótese de privatização", disse.

 

A Câmara de Lisboa já assegurou que vai manter a rodoviária Carris, sob sua alçada desde Fevereiro, na esfera municipal, sem recorrer a concessões a privados.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 16 horas

Invistam forte e feio. Quanto mais forte investirem, maior o ímpeto da marrada e mais possibilidades de partirem, de uma vez por todas, a cabeça e deixarem os tugas que trabalham no duro para o pão que comem, em paz. Cambada de parasitas.

Anónimo Há 16 horas

Um País de mentecaptos. É preciso realmente ser muito limitado para não perceber que a agenda destes BE, PS e PCs é fazer fretes às estruturas sindicais que vivem penduradas nas tetas do Estado. O Socialismo/Comunismo em Portugal tornou-se na arte de satisfazer grupos de interesse com massa crítica.

Camaradaverao75 Há 17 horas

Isso camarada. E o país rural que arda. É a lei de funil.

pub
pub
pub
pub